Rede Mocoronga

6 de agosto de 2009 por Elis Lucien

A Rede Mocoronga de Comunicação Popular fecha esse primeiro semestre com 38 sucursais rurais.

* A Rede é formada pelas sucursais de jovens repórteres que ganham nomes e formas de gestão próprios. As escolas das comunidades também são parceiras oferecendo apoio pedagógico dos professores.

Cada sucursal produz um jornal comunitário contendo informações locais, os repórteres mandam para a sede do Projeto Saúde e Alegria, ao núcleo de Educação, Cultura e Comunicação que  efetua reproduções e as distribui para as demais sucursais da Rede. Ao todo temos 44 sucursais distribuídas nas comunidades dos rios Tapajós, Amazonas e Arapiuns com produções de acordo com cada grupo de jovens.

Essa Rede balançou com os sucursais da região da Floresta Nacional do Tapajós: São Domingos – O Seringueiro; Pedreira – O Diário de Pedreira; Prainha – Tapajós; Piquiatuba – O Piquiá. E retornando a Rede o jornal da comunidade de Chibé (localizada na região do planalto)- A Tribuna do Chibé. Já na área da Reserva Extrativista Tapajós Arapiuns chegaram em nossa redação os jornais de: Vila de Boim – A Notícia; Muratuba – Arte e Vida; Suruacá – Japiim; Vista Alegre do Capixauã – Floresta Nativa; Capixauã – Capixaba; Samaúma – Folha de Samaúma; Pedra Branca – JUBE; Cametá – Fonte Cametaense; Maripá – Anúncio do Ciriri. E na margem esquerda do rio Arapiuns a comunidade de Urucureá com o jornal Cabocla.

E para balançar mais a Rede, temos novas sucursais nas comunidades de: Vila Franca com o jornal A Folha do Tapajós; Nuquini – A Voz da Juventude; Vila Amorim – O Papagaio; Novo Progresso do Capixauã – O Tigre; Nova Vista – Bela Vista todas no rio Tapajós. Das margens do rio Arapiuns a comunidade de Aminã com o sucursal Aminã Hoje.

Os sucursais rurais são confeccionados pelos jovens repórteres nas comunidades. Alguns já estão sendo digitados outros sãos escritos, desenhados e pintados. Transformando a informação em uma rede de comunicação intercomunitária ribeirinha.

*Folder da Rede Mocoronga de Comunicação “A Amazônia do caboclo, pelo caboclo da Amazônia”

Elis Lucien

Deixe um comentário

*