Água potável chega a aldeias indígenas e comunidades ribeirinhas: conheça o Cisterna

21 de novembro de 2018 por Samela Bonfim

Programa desenvolvido através da chamada pública do governo federal por meio do Ministério do Desenvolvimento Social do Programa Nacional ‘Cisterna’ de apoio a capacitação de água da chuva e outras tecnologias sociais de aceso a água é coordenado pelo Projeto Saúde e Alegria em Santarém e executado pela Asproc, Sapopema e Somec

Em pouco tempo mais de 600 famílias receberão as tecnologias nas regiões da Flona, Várzea e Lago Grande. Desde maio de 2018, quando foi feita a assinatura do programa os moradores das áreas beneficiadas pelo projeto vivem a expectativa de dias melhores com a instalação de sistemas de captação da água e construção de sistema de saneamento.

Os serviços são executados por três instituições contratadas para atuar em diferentes regiões: Nas aldeias Taquara e Bragança e Comunidades Pini, Marae e Acaratinga – localizadas na Flona a responsabilidade é da Asproc que já começou a entregar as primeiras tecnologias em uma cerimônia simbólica neste sábado (17).

Na várzea os serviços são feitos pela Sociedade Para Pesquisa e Proteção do Meio Ambiente – Sapopema – que desenvolve nas comunidades Urucurituba, Aramanai, Igarapé do costa e Correio do Tapará as construções de um Sistema Pluvial Multiuso Comunitário para implantação de redes de abastecimento de água em comunidades rurais e o Sistema Pluvial Autônomo que vai atender famílias isoladas.

Na região do Lago Grande as construções de sistemas de abastecimento de água com calha e caixa d’agua de mil litros em cada residência estão na fase inicial e é de responsabilidade da Somec.

Segundo o coordenador do Programa de Saneamento Comunitário do Projeto Saúde e Alegria Carlos Dombroski as unidades já começaram a ser entregues e em pouco tempo todos os beneficiados terão em casa acesso à água limpa de maneira prática: “É de extrema importância porque são comunidades isoladas, principalmente na várzea. A gente sabe do liquido que essas famílias consomem. Mediante essa implantação vamos estar levando uma água pura para essas famílias” – explica.

Em algumas comunidades, a falta de saneamento é tão grave que já resultou na morte de moradores. “ – Por exemplo, a Aldeia de Taquara, perdeu nesses últimos três anos doze pessoas. E tem a suspeita de que algumas dessas [mortes]  foi em função do consumo da água, porque eles consumiam direto do rio, igarapé e poços rasos. E o sistema de água agora é moderno, com água em todas as casas, tecnologia de captação e energia solar”.

As comunidades e aldeias contempladas são isoladas dos centros urbanos. Na várzea a constante dinâmica de cheia e baixa da água influencia na qualidade do liquido. Em Igarapé do Costa, comunidade da várzea a dificuldade começa na coleta da água no verão, quando o rio fica distante das residências. Para o pescador Waldir Rego os integrantes das famílias contempladas estão contando os dias para mudar a qualidade de vida. Com o sistema de captação da água da chuva, e instalação de banheiros, terão mais dignidade e um pouco menos de esforço físico no transporte de água: “a água a gente pega do rio, leva pra casa e coloca numa caixa que é puxada a mão e a gente ‘bota’ pra filtrar. Cada casa tem um biofiltro. Se viesse direto do rio não teria condição, é barrenta demais

” – destaca.

Esse processo de filtragem para diminuir a concentração de impurezas ocorre após um longo processo que começa com a coleta. O ribeirinho revela que leva 45 minutos para fazer o percurso de aproximadamente 250 metros. Com o sistema de encanamento da água coletada da chuva, os dias dedicados ao transporte do carote no ombro terão fim. “A gente vai ficar mais tranqüilo. Eu  com uma expectativa muito grande e vai ser muito bom para as famílias”.

Sobre o Programa Cisterna

Em maio de 2018 foi feita a assinatura do programa que faz parte da chamada publica do governo federal por meio do Ministério do Desenvolvimento Social do Programa Nacional ‘Cisterna’ de apoio a capacitação de água da chuva e outras tecnologias sociais de aceso à água.

O objetivo é realizar ações de captação de água e promover saneamento, uma vez que os moradores dessas áreas contempladas, não tem nenhum sistema de abastecimento. Em Santarém o programa é coordenado pelo Projeto Saúde e Alegria e executado pelas Organizações Não Governamentais Sapopema, Asproc e Somec.

Sai resultado preliminar do Edital de Chamada Pública de Tecnologias Sociais

15 de maio de 2018 por Paulo Lima

RESULTADO PRELIMINAR DO EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 01/2018

O Centro de Estudos Avançados de Promoção Social e Ambiental – CEAPS, inscrito no CNPJ sob o número 55.233.555/0001-75, com sede na Avenida Mendonça Furtado, 3979, Bairro Liberdade, Município de Santarém, Estado do Pará, doravante denominado CEAPS, tendo em vista o constante no processo administrativo n.º 71000.081610/2017-09 e no Termo de Colaboração nº 044/2017-SESAN, torna público o resultado preliminar do EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA para a seleção e contratação de entidades privadas sem fins lucrativos para a implementação de 567 tecnologias sociais, divididas em 8 lotes.

Veja o resultado aqui:

https://drive.google.com/file/d/1kFXOxzGoIITEt52sUI5SJa064zzfDhx7/view?usp=sharing

Toda documentação relativa está disponível no SICONV e aqui:

https://drive.google.com/drive/folders/1EaKcYet8Skq2JKKOJ_vbDKw1FvG3HkNL?usp=sharing

 

Comunidades da Floresta recebem Curso de Permacultura

29 de outubro de 2013 por Adriane Gama

curso_permaculturaComeça hoje, dia 29 de outubro e segue até o dia 6 de novembro, o Curso de Certificação em Desenho de Permacultura, de 72 horas, facilitado pelo agrônomo e ambientalista João Rockett, do Instituto de Permacultura e Ecovilas da Pampa (IPEP), em Bagé – RS, na sede do Projeto Saúde e Alegria. Trata-se de um encontro que abordará desde a filosofia e metodologia da permacultura, perpassando pelas áreas de biologia, engenharia florestal, agronomia e economia, fechando com a apresentação de projetos.

Este encontro contará com a presença de 25 participantes, sendo eles, representantes das comunidades ribeirinhas que fazem parte do programa Floresta Ativa na Reserva Extrativista: Solimões, Surucuá, Vila de Amorim e Jauarituba (Rio Tapajós) e Anã, São José I, São Pedro, Mentai e Prainha do Maró (Rio Arapiuns), além dos técnicos do Projeto Saúde e Alegria. A finalidade do curso é aprofundar e interagir os conhecimentos em permacultura com as práticas e vivências locais ribeirinhas. Neste evento, haverá ainda uma atividade prática de campo em uma comunidade.

A permacultura significa um sistema cuja raízes baseia-se em uma filosofia de abundância e generosidade que tem como ética, cuidar das pessoas e do planeta, estabelecer limites de consumo e repartir excedentes. Este termo foi criado nos anos de 1972, na Austrália, pelos ambientalistas Bill Mollisson e David Holgren, com a ideia de projetar espaços de uma agricultura permantente ou cultura humana em harmonia com a natureza, envolvendo plantas, animais, edificações e infra-estrutura (água, energia, comunicações), bem como relacionamentos que podem se criar entre eles.

joaobill

João Rockett e Bill Mollison

No Brasil, o processo inicial da permacultura aconteceu no formato de Institutos de Permacultura sediados em 4 biomas: ecossistemas do Cerrado, da Mata Atlântica, do Pantanal e da Amazônia, disseminados com intervenções que coletam tecnologias inovadoras com técnicas milenares, estimulando atividades cotidianas que não comprometam os recursos naturais que pertencem a gerações futuras. O IPEP, por exemplo, surgiu desde 2000, sendo considerado um centro referencial de sustentabilidade a partir do PAL (Permacultura América Latina).

Este curso de Permacultura está estabelecido de acordo com o programa oficial da Permacultura estabelecido por Bill Mollison e segue as normas do sistema de Reconhecimento de Qualificações Profissionais da Austrália. No final do encontro, todos os participantes receberão o certificado de conclusão de curso, assinado pelo instrutor credenciado Rockett.

Telecentro Cultural de Boim – conectando os boinenses ao mundo!

24 de agosto de 2011 por Maickson Bhoim

O Telecentro Cultural de Boim é um espaço de propagação da arte, cultura, educação e entretenimento. Desde 2008 atende os comunitários com cursos de informática básica,  biblioteca e serve como espaço para cinema e reuniões. Possui 04 notebooks e tem energia 24 horas, limpa, obtida do sol.

No mês de julho passado, após 03 anos de espera, o Telecentro Cultural de Boim recebeu conexão à internet, via satélite, através do Programa GESAC do Governo Federal.

A internet, ainda uma novidade para muitos está fazendo o maior sucesso entre os comunitários e o acesso ao telecentro triplicou no último mês. Muitos já criaram contas nas redes sociais, alunos e professores ampliaram suas fontes de pesquisa, pessoas puderam ter melhor acesso aos seus cursos de Ensino a Distância e conversas com parentes que moram em outras cidades e estados ficaram mais acessíveis.

O atendimento ao público é por conta de jovens monitores voluntários. Um deles é o jovem Joares Miranda que há três anos faz esse importante trabalho. A partir de setembro esse trabalho que é feito voluntariamente passará a ser feito por dois monitores bolsistas da comunidade que passarão por um processo seletivo e farão parte do programa TelecentrosBr.

“A internet está sendo muito importante na minha vida, facilitou a comunicação, inclusive foi através dela que passei a me comunicar com um irmão que não vejo há anos. É a comunicação mais livre que existe atualmente, que nos permite bater papo, enviar mensagens, vídeos que poderão ser acessados de qualquer lugar do mundo”, disse o jovem monitor Joares Miranda.

.

.

.

.

.

.

.

 

.