Novos empreendedores intensificam negociações após Beiradão de Oportunidades

9 de janeiro de 2019 por Samela Bonfim

Cinco selecionados estão na fase de execução dos empreendimentos nas comunidades de origem. Em novo encontro, receberão assistência para dar continuidade aos projetos com o uso consciente do investimento do capital recebido como premiação

Ian Sousa Tavares da Aldeia Camará na região do Rio Arapiuns veio a Santarém para entregar mais uma remessa de encomenda. O jovem, um dos finalistas do Beiradão de Oportunidades destacou alegria em ver o negócio crescendo e gerando lucro: “Estamos já com encomendas e conseguimos já fazer algumas vendas. Pra mim está sendo um salto do projeto, porque já conseguimos bons resultados, gerar lucro. Nosso objetivo principal é gerar renda para nossa aldeia. E está sendo maravilhoso. Logo de início a gente não sabia como andar, como começar.” – explica.

Ele é um dos cinco selecionados no Festival de Empreendedorismo – Pitch. Produção de hortaliças, artesanato indígena, instrumento de colheita de mandioca, produção de ovos caipiras e escola de mandioca foram empreendimentos escolhidos dentre doze apresentados na última fase do Beiradão.

A nova etapa é de incubação quando os jovens recebem o suporte assistencial para o impulsionamento das vendas. A educadora do projeto juventude floresta ativa – Luana Silva destacou a preparação para a assessoria: “Vamos estar com eles e a disposição deles. É um grande encontro. Nós entramos como parceiros porque eles já deram o ponta pé no negócio e estão tendo a renda deles, firmar parceria e dar os retoques necessários”.

Para a equipe organizadora ver as atividades gerando frutos é satisfatório, explica o coordenador de Empreendedorismo Juvenil Projeto Saúde & Alegria, Paulo Lima: “Nós do Projeto Saúde & Alegria, com a ajuda de muitos parceiros, conduzimos esses seres inquietos e divertidos até aqui. Agora é hora de ver para onde eles vão e como seguirão seus futuros”.

Projetos premiados

Hortagro – Verduras saudáveis

Idealizado pela jovem Louriely Castro, a proposta do empreendimento que ganhou a primeira colocação no ranking é oferecer produtos naturais. A empresa HORTAGRO entrega verduras e hortaliças frescas, organicamente cultivadas sem uso de agrotóxico.

Arnaí – Artesanato natural indígena

O trio Alex Júnior Tavares, Ian Tavares e Eliandra Ferreira conquistou o segundo lugar no Picht com a intenção de comercializar artesanatos com traços indígenas para fins de decoração. O empreendimento produz, divulga e vende miniaturas de canoas, botes, remos entre outros produtos da etnia Arapiun resgatando e valorizando sua cultura, gerando renda para os artesãos da comunidade.

Mani – Escola da Mandioca

Decididos a inovar o cultivo da mandioca José Diego Miranda, Varley Cardoso e Varlison Cardoso criaram uma escola para mudar a realidade de muito trabalho, pouca produção e baixa valorização do mercado vivenciada pela maioria dos agricultores produtores da farinha de mandioca na Amazônia. A MANI propõe ensinar técnicas sustentáveis para o aumento na produção da maniva na etapa de plantio e colheita no roçado, com cursos, palestras e orientações ao produtor.

Caiporó – Galinhas e ovos

Devido a escassez de ovos caipira em muitas comunidades ribeirinhas Delton Miranda, José Solano Guimarães e Silvia Cardoso apostaram na aquisição de galinha poedeiras para venda de galinhas e ovos.

Volomaq – Colheira de mandioca

Daiana de Sousa e Ádria Tapajós criaram um negócio para facilitar a vida dos produtores de mandioca que sofrem com o esforço repetitivo na colheita da mandioca. A VELOMAQ é uma máquina para facilitar e agilizar a extração. Adaptável à altura do agricultor, possibilita  conforto, maior produtividade e melhora a renda.

Realização

O Beiradão de Oportunidades é um programa de formação de jovens para o empreendedorismo, que faz parte das estratégias do Saúde e Alegria com o Projeto Rede Juventude Floresta Ativa, que conta com o apoio da Cáritas Suíça. Tem por objetivo contribuir para uma melhoria das condições de vida e para um desenvolvimento integral de crianças, adolescentes e jovens de comunidades da Amazônia.

 

Cinco projetos do Beiradão de oportunidades são premiados em encerramento do programa

15 de dezembro de 2018 por Samela Bonfim

Produção de hortaliças, artesanato indígena, instrumento de colheita de mandioca, produção de ovos caipiras e escola de mandioca são empreendimentos selecionados dentre doze apresentados na última fase do Beiradão.

Jovens de comunidades ribeirinhas e indígenas fizeram a transição de fase nesta manhã de sábado. Ao apresentar o projeto eles oficializam a abertura de um empreendimento na própria comunidade e dão mais um passo rumo ao negócio inovador. “Essa juventude é muito criativa, e naquele momento da vida em que a gente está com muitas dúvidas sobre o futuro, é o momento apropriado para pensar os problemas que temos na nossa região na relação entre campo e mercado, e, pensar soluções de uma forma muito livre e criativa. Esses que serão os novos líderes das relações entre a produção do campo, da Resex e Flona” – ressalta o coordenador do programa de empreendedorismo do PSA – Paulo Lima.

O evento que marca o fim de uma capacitação intensa é também um momento de incentivar a continuidade pela busca de conhecimento. “conclusão de seis meses de muito esforço e muito trabalho. Alguns deles enfrentaram onze horas para chegar aqui de barco para apreender sobre criação de startups, logo, marca, modelo de negócio. A criação dos projetos é um incentivo da permanência deles na comunidade com geração de renda familiar” – explicou a- educadora do projeto juventude floresta ativa – Luana Silva.

Projetos selecionados

A 10ª turma do curso resultou na criação de 12 projetos de empreendimentos nas regiões de origem, onde se destacaram negócios inovadores nas áreas da meliponicultura, artesanato e agricultura. Os cinco melhores avaliados receberão apoio financeiro e assessoria para dar continuidade aos seus negócios. Foram selecionados: 

1º lugar: Hortagro – Verduras saudáveis.

2º lugar: Arnai – Artesanato Natural Indígena

3º lugar: Mani – Escola da mandioca

4º lugar: Caipiró – Galinhas e ovos

5º lugar: Velomaq- Colheita de mandioca

Para Ian Tavares empreendedor da Aldeia Camará a oportunidade marcou uma importante fase na consolidação da

valorização da cultura e de um espaço de geração de renda: “a gente projetou uma empresa de fabricação e venda de produtos artesanais indígenas. A intenção é disseminar a cultura dos povos tradicionais e gerar renda” – comentou o jovem que vai reunir toda a produção dos artesãos indígenas locais e vender na internet.

Daiana Pereira de São Pedro na região do Rio Arapiuns desenvolveu um instrumento de colheita de mandioca: “Ela é feita de madeira e assim vai ajudar o agricultor a extrair a mandioca sem ter problema na coluna. Eu sou uma colhedora e eu sofro com esse problema e não só eu como todos sofrem e eu fiz isso para minha comunidade e quem sabe expandir isso para o mundo” – encerra.

 

Damo Day em Belém reunirá projetos de empreendedorismo sustentável

13 de dezembro de 2018 por Samela Bonfim

Apresentações do “Amazônia Up” serão realizadas no auditório do Jornal O Liberal nesta sexta (14) e contemplam Ideias empreendedoras para o desenvolvimento sustentável da Amazônia

O objetivo do evento é destacar iniciativas inovadoras com foco à floresta e biodiversidade. Entre as cadeias produtivas prioritárias destacam-se: Açai, Cacau, Turismo, Gastronomia, Biotecnologia, Pesca, Sistemas Agroflorestais,Produtos florestais não-madeireiros, Sócio-biodiversidade, Pecuária Verde, Agricultura Sustentável e Economia Criativa. 

O programa se propõe a atingir estudantes e concluintes de escola técnica/ensino médio, universitários, graduados e integrantes das comunidades abrangidas pela atuação da Rede Jirau de Agroecologia.

Durante o Demo Day (Dia de Apresentações) os modelos de negócio e seus protótipos serão apresentados para um público representativo do ecossistema de negócios sustentáveis da Amazônia em um evento dinâmico e participativo. Ao final do evento, serão escolhidos até 4 ideias/negócios de destaque para serem premiados com mentorias e recursos para desenvolver suas idéias.

Para a realização do evento, a comissão organizadora conta com a parceria de instituições, como o Projeto Saúde e Alegria, representado no Demo Day pelo coordenador do programa de empreendedorismo do PSA – Paulo Lima.

Serviço

Onde? Auditório do Jornal O Liberal, em Belém (Av. Rômulo Maiorana 2473, atrás do Bosque Rodrigues Alves)

Quando?  13 de dezembro – sexta feira

Lucratividade na comunidade: jovens empreendedores apresentam modelo de negócios neste sábado (15)

13 de dezembro de 2018 por Samela Bonfim

Durante o encerramento das atividades do Beiradão de Oportunidades do Projeto Saúde e alegria vinte e quatro jovens apresentarão 12 projetos de empreendimentos nas regiões de origem. Se destacam negócios inovadores nas áreas da meliponicultura, artesanato e agricultura

Para os jovens moradores de comunidades ribeirinhas localizadas geograficamente distantes dos grandes centros urbanos, o momento é de alegria e ansiedade. Neste próximo sábado eles apresentarão à comunidade o fruto de meses de dedicação à elaboração do negócio.

O encontro encerra as capacitações em empreendedorismo com jovens ribeirinhos na Amazônia e propõe iniciativas criativas e empreendedoras a partir dos potenciais da própria região. “Eles construíram um modelo de negócio na comunidade deles, baseado na cultura, nos costumes do lugar. E agora eles vem mostrar o negócio completo aqui. Os cinco melhores avaliados vão receber um apoio financeiro e também de assessoria para dar continuidade aos seus negócios. É o que a gente chama de incubação. A partir de agora todos são empreendedores, donos dos seus negócios.” – explicou a Educadora do Projeto Juventude Floresta Ativa, Luana Silva.

Serão expostos projetos de meliponicultura, colheita de macaxeira, fabricação de roupas de crochê, pimenta do reino, artesanato. Na comunidade São Pedro região do Rio Arapiuns as jovens Daiana Pereira e Adria dos Santos, decidiram criar um instrumento que facilite a colheita dos moradores e gere renda. “Vamos fazer uma maquina, a Velomaq que vai ser instrumento para facilitar a vida do agricultor. Essa maquina vai extrair mais rápido a mandioca do que manualmente” – contou Daiana.

Em Maripá no Rio Tapajós o mais novo empreendimento é um restaurante montando por um trio: Jessica Cardoso, Tiago Assunção e Fernanda Lima. Eles resolveram inaugurar o Restaurante Peixe e Cia  a primeira experiência com a venda de comidas dos empreendedores: “Vendemos pra comunidade, carne e frango, assado de panela e verduras no cardápio. Para os turistas, pratos bem regionais, com os produtos de tempo como farofa de caju com Curuá” – relatou Jéssica.

Beiradão

É um processo de formação de jovens empreendedores que engloba conceitos de negócios sociais e tecnologias, auxiliando os jovens na geração de ideias inovadoras que surgem para solucionar problemas que estão inseridos em algum contexto social.

“Esta é a 10ª turma do curso, sendo que vários pequenos negócios já foram montados e estão em funcionamento nas comunidades, abrindo novas perspectivas de renda para o jovem do campo que não tem muitas oportunidades de emprego”, explica Paulo Lima, coordenador do programa de empreendedorismo do PSA.

O curso faz parte de uma estratégia maior do Saúde e Alegria, que visa contribuir para uma melhoria das condições de vida e para um desenvolvimento integral de crianças, adolescentes e jovens de comunidades da Amazônia. “Isso inclui além de estratégias de mobilização social, a criação de oportunidades de trabalho e renda para que os jovens das comunidades possam ter a oportunidade de fazer escolhas, sair ou ficar da comunidade, mas com clareza para construir seus projetos de vida plenamente”, conclui Fábio Pena, da coordenação de educação do PSA.

O projeto organizado pelo Projeto Saúde & Alegria (PSA) conta atualmente com o apoio da Fundação Cáritas Suíça e colaboração da Fundação Konrad Adenauer.

Serviço

Quando? Sábado (15) de dezembro, às 08h00

Local? Auditório do IESPES, localizado na Rua Coaracy Nunes, 3315 – Caranazal

Leia o resto desse post »

Restaurante na comunidade e máquina de colher mandioca estão entre projetos desenvolvidos no Beiradão de Oportunidades

30 de novembro de 2018 por Samela Bonfim

Última fase do Beiradão 2018 aconteceu nos dias 29 e 30 de novembro. Capacitação em empreendedorismo com jovens ribeirinhos na Amazônia propõe iniciativas criativas e empreendedoras a partir dos potenciais da própria região. Neste ultimo ciclo os participantes construíram roteiro e planejaram a apresentação do modelo de negócios

Na comunidade São Pedro região do Rio Arapiuns grande parte dos moradores sobrevive da agricultura com atividade voltada ao plantio de mandioca. Devido ao intenso esforço da retirada da raiz, as jovens Daiana Pereira e Adria dos Santos, moradoras da comunidade decidiram criar um instrumento que facilite a colheita dos moradores e gere renda.

“Muitas pessoas sofriam com dores nas costas e percebemos que isso era por conta da maneira como retiraram a mandioca. Então vamos fazer uma maquina, a Velomaq que vai ser instrumento para facilitar a vida do agricultor. Essa maquina vai extrair mais rápido a mandioca do que manualmente e será adaptável a altura do agricultor, a produtividade será maior e sua renda aumentará” – contou Daiana animada sobre a implantação do projeto incentivado pelo Saúde e Alegria.

Em Maripá no Rio Tapajós um restaurante está movimentando a comunidade. A dedicação ao campo e respectiva falta de tempo para fazer o almoço foi observada pelo trio integrante do Beiradão de Oportunidades. Jessica Cardoso, Tiago Assunção e Fernanda Lima resolveram inaugurar o Restaurante Peixe e Cia. Em uma primeira experiência com a venda de comidas os empreendedores obtiveram um numero expressivo de clientes internos e externos, conta

Cardoso: “A gente atingiu o numero de 75 famílias que tem lá e vendeu para 36, fora os turistas que passam por lá. Vendemos pra comunidade, carne e frango, assado de panela e verduras no cardápio. Para os turistas, pratos bem regionais, com os produtos de tempo como farofa de caju com Curuá”.

O que é Beiradão?

Um processo de formação de jovens empreendedores que engloba conceitos de negócios sociais e tecnologias, auxiliando os jovens na geração de ideias inovadoras que surgem para solucionar problemas que estão inseridos em algum contexto social.

“Esta é a 10ª turma do curso, sendo que vários pequenos negócios já foram montados e estão em funcionamento nas comunidades, abrindo novas perspectivas de renda para o jovem do campo que não tem muitas oportunidades de emprego”, explica Paulo Lima, coordenador do programa de empreendedorismo do PSA.

O curso faz parte de uma estratégia maior do Saúde e Alegria, que visa contribuir para uma melhoria das condições de vida e para um desenvolvimento integral de crianças, adolescentes e jovens de comunidades da Amazônia. “Isso inclui além de estratégias de mobilização social, a criação de oportunidades de trabalho e renda para que os jovens das comunidades possam ter a oportunidade de fazer escolhas, sair ou ficar da comunidade, mas com clareza para construir seus projetos de vida plenamente”, conclui Fábio Pena, da coordenação de educação do PSA.

O projeto organizado pelo Projeto Saúde & Alegria (PSA) conta atualmente com o apoio da Fundação Cáritas Suíça e colaboração da Fundação Konrad Adenauer.

Última fase do Beiradão de Oportunidades 2018 será nos dias 29 e 30 de novembro

28 de novembro de 2018 por Samela Bonfim

Capacitação de empreendedorismo de jovens ribeirinhos na Amazônia propõe iniciativas criativas e empreendedoras a partir dos potenciais da própria região. Neste ultimo ciclo os participantes irão construir roteiro e planejar a apresentação do modelo de negócios

Os jovens empreendedores estão mais perto de ter o próprio negócio gerando renda e oferecendo algo útil à comunidade. Por meses eles investiram tempo à pesquisa e ao planejamento do empreendimento orientado por técnicos do Curso de Empreendedorismo Beiradão de Oportunidades promovido pelo Projeto Saúde e Alegria (PSA) com apoio da Fundação Cáritas Suíça e colaboração da Fundação Konrad Adenauer. 

Os participantes entre 18 e 21 anos buscaram novos conhecimentos para aplicar em ideias de negócios que possam ser bem sucedidos. São projetos como da Louriely Pereira da comunidade São Pedro da região do Rio Arapiuns que pretende solucionar o problema da falta de hortaliça nas comunidades através do Projeto Hortagro – Horta Agrícola/Mão de obra. “Eu tinha o começo mas não tinha como continuar nem os recursos. Hoje já tenho os recursos de materiais e de como mobilizar no meu psicológico para ver como analisar e ter lucro”.

Ou o do José Solano Guimarães da comunidade Mentae – Rio Arapiuns que inaugurará uma granja: “O nosso problema é a falta de ovos de galhinha caipira dentro da comunidade e nas redondezas. A demanda é grande, porém a gente não tem quantidade na comunidade. A gente precisa vir a Santarém e esperar um dois dias para chegar a mercadoria lá. Quem sofre são os comunitários”.

Nesta ultima fase realizada na sede do Projeto Saúde e Alegria, os jovens finalizarão o projeto com a preparação para o encerramento do curso de empreendedorismo a ser realizado no dia 15 de novembro.

O que é Beiradão?

Um processo de formação de jovens empreendedores que engloba conceitos de negócios sociais e tecnologias, auxiliando os jovens na geração de ideias inovadoras que surgem para solucionar problemas que estão inseridos em algum contexto social. Esta é a 10ª turma do curso, sendo que vários pequenos negócios já foram montados e estão em funcionamento nas comunidades, abrindo novas perspectivas de renda para o jovem do campo que não tem muitas oportunidades de emprego”, explica Paulo Lima, coordenador do programa de empreendedorismo do PSA.

O curso faz parte de uma estratégia maior do Saúde e Alegria, que visa contribuir para uma melhoria das condições de vida e para um desenvolvimento integral de crianças, adolescentes e jovens de comunidades da Amazônia. “Isso inclui além de estratégias de mobilização social, a criação de oportunidades de trabalho e renda para que os jovens das comunidades possam ter a oportunidade de fazer escolhas, sair ou ficar da comunidade, mas com clareza para construir seus projetos de vida plenamente”, conclui Fábio Pena, da coordenação de educação do PSA.

O projeto organizado pelo Projeto Saúde & Alegria (PSA) conta atualmente com o apoio da Fundação Cáritas Suíça e colaboração da Fundação Konrad Adenauer.

Serviço

Quando? Quinta e sexta 29 e 30 de novembro, das 8h às 18h

Onde? Projeto Saúde e Alegria, Av. Mendonça Furtado, n° 3979, Bairro: Liberdade

| Ascom Saúde e Alegria

Encontro de Acolhimento, Cura e Empoderamento das Mulheres Indígenas do Baixo Tapajós marca Caravana das Encantadas

5 de novembro de 2018 por Samela Bonfim

Evento realizado nos dias 02, 03 e 04 contou com vasta programação que destacou direitos da Mulher, Direitos Indígenas, combate a violência e realização de oficinas

Organizado pelas Suraras do Tapajós, o encontro promovido em três dias reuniu jovens e mulheres indígenas da região do Tapajós/Arapiuns. O grupo é um coletivo de mulheres indígenas, sem fins lucrativos, que atua no Baixo Tapajós com a missão de combater a violência e racismo, e no empoderamento econômico e político de mulheres indígenas desse território.

Uma das reuniões definiu o conteúdo da Campanha de combate às violências contra a mulher indígena e definição da Estratégia de Adesão a Campanha 21 dias de ativismo: pelo fim da violência contra mulheres.

Dinâmicas criativas auxiliaram na condução das temáticas idealizadas para promover o conhecimento da representatividade das instituições jurídicas.

Além dos seminários, integrantes das discussões participaram de pinturas corporais, Oficinas de biojóias, de arco e flecha, cerâmicas, grafismo em cuias, confecção de instrumentos musicais
Oficina de garrafadas e banho de ervas (medicinais), Economia solidaria e criativa e Empreendedorismo Social.

O Encontro de Acolhimento, Cura e Empoderamento das Mulheres Indígenas do Baixo Tapajós é realizado com o apoio do Fundo Elas: Fale sem medo – Instituto Avon; Engajamundo; KAS – Fundação Konrad Adenauer.

Beiradão de oportunidades promove capacitação de empreendedorismo na Amazônia com jovens ribeirinhos

25 de outubro de 2018 por Samela Bonfim

Curso realizado pelo Projeto Saúde e Alegria propõe a capacitação de jovens para iniciativas criativas e empreendedoras a partir dos potenciais da própria região.

Ter o próprio negócio que gere renda, seja útil à comunidade e traga benefícios para o coletivo são propostas dos jovens que estão participando do Curso de Empreendedorismo Beiradão de Oportunidades promovido pelo Projeto Saúde e Alegria (PSA) com apoio da Fundação Cáritas Suíça. Os participantes têm entre 18 e 21 anos e estão em busca de novos conhecimentos para aplicar em ideias de negócios que pretendem desenvolver a partir das capacitações que vem recebendo desde agosto deste ano.

Eles vêm de diversas comunidades da região dos Rios Tapajós e Arapiuns: Anumã, Curipatá, Maripa, Pedra Branca, Capixauã, Aldeia Solimões, Suruacá, Anã, Urucureá, São Francisco, Mentae, Camará, São Pedro, Jaguarari e Acaratinga.  A turma é formada por 30 jovens, que foram selecionados depois de um festival realizado no começo do ano, em que tiveram os primeiros contatos com a idéia de empreendedorismo, economia criativa e os chamados negócios sociais, que além de terem uma visão econômica, buscam também resolver problemas da comunidade.

“O curso é dividido em vários módulos e vai até o final do ano com a apresentação de uma proposta de negócio, o PITCH, onde devem ter clareza do que querem e como pretendem desenvolver a proposta. Passam por todo um processo que vai desde a identificação de um problema, até a busca de soluções para se chegar nessa ideia. Também recebem orientação para criar o nome, a marca e as estratégias de mercado”, explica uma das educadoras do curso, Luana Silva.

Abrindo o próprio negócio

 

Louriely Pereira da comunidade São Pedro da região do Rio Arapiuns está animada com a execução do próprio projeto. A jovem que está prestes a concluir o ensino médio disse que já se planejava para sair da comunidade: “pra vir procurar outras oportunidades em Santarém. Mas agora como já tenho um meio de ganhar o meu dinheiro, eu posso ficar lá” – diz entusiasmada.

A proposta dela é solucionar o problema da falta de hortaliça nas comunidades através do Projeto Hortagro – Horta Agrícola/Mão de obra. “Eu tinha o começo mas não tinha como continuar nem os recursos. Hoje já tenho os recursos de materiais e de como mobilizar no meu psicológico para ver como analisar e ter lucro” – finaliza Pereira.

O jovem José Solano Guimarães da comunidade Mentae – Rio Arapiuns também está feliz com a possibilidade de abrir o próprio negócio na região. “O nosso problema é a falta de ovos de galhinha caipira dentro da comunidade e nas redondezas. A demanda é grande, porém a gente não tem quantidade na comunidade. A gente precisa vir a Santarém e esperar um dois dias para chegar a mercadoria lá. Quem sofre são os comunitários” – explica sobre a empresa promissora na área da Avicultura para produção de ovos.

Para que o negócio atinja os objetivos propostos no projeto ele já sabe quais os primeiros desafios: “As nossas galinhas botam um dia sim um dia não. O que a gente aprendeu aqui é que a gente precisa de galinhas poedeiras. Todos os dias elas tem que botar e não são as raças que a gente tem.” – conclui.

Estratégia

O Beiradão de Oportunidades é um processo de formação de jovens empreendedores que engloba conceitos de negócios sociais e tecnologias, auxiliando os jovens na geração de ideias inovadoras que surgem para solucionar problemas que estão inseridos em algum contexto social. Esta é a 10ª turma do curso que realizamos, sendo que vários pequenos negócios já foram montados e estão em funcionamento nas comunidades, abrindo novas perspectivas de renda para o jovem do campo que não tem muitas oportunidades de emprego”, explica Paulo Lima, coordenador do programa de empreendedorismo do PSA

O curso faz parte de uma estratégia maior do Saúde e Alegria, que visa contribuir para uma melhoria das condições de vida e para um desenvolvimento integral de crianças, adolescentes e jovens de comunidades da Amazônia. “Isso inclui além de estratégias de mobilização social, a criação de oportunidades de trabalho e renda para que os jovens das comunidades possam ter a oportunidade de fazer escolhas, sair ou ficar da comunidade, mas com clareza para construir seus projetos de vida plenamente”, conclui Fábio Pena, da coordenação de educação do PSA.

O projeto organizado pelo Projeto Saúde & Alegria (PSA) conta atualmente com o apoio da Fundação Cáritas Suíça e colaboração da Fundação Konrad Adenauer.

Serviço

Quando? Quinta e sexta 25 e 26 de outubro, das 8h às 18h

Onde? Projeto Saúde e Alegria, Av. Mendonça Furtado, n° 3979, Bairro: Liberdade

| Ascom Saúde e Alegria

Extrativistas participam de seminário: ‘Iniciativas e desenvolvimento dos óleos na floresta’

24 de outubro de 2018 por Samela Bonfim

Promover iniciativas promissoras de extração do óleo na floresta, aproximar os povos tradicionais que sobrevivem da atividade sustentável de empresários e disseminar o conhecimento cientifico para os extrativistas são objetivos da oficina realizada na comunidade Carão, em Santarém

As atividades aconteceram no Centro Experimental Floresta Ativa (Cefa) instalado na comunidade Carão, Oeste do Pará. No espaço representantes de dezoito comunidades da Resex, Floresta Nacional do Tapajós e Lago Grande participaram da oficina que visa incentivar e melhorar a geração de renda e desenvolvimento sustentável dos moradores, com ênfase no aproveitamento econômico dos produtos extrativistas produzidos pelos comunitários.
A primeira edição do seminário destacou o potencial econômico dos óleos e sementes na região e de que maneira os extrativistas podem melhorar a produtividade sem esquecer o respeito ao meio ambiente.

Participantes trocaram experiência com os convidados que contribuíram para que a atividade atinja os objetivos propostos: Professor da Universidade Federal do Oeste do Pará – Dr. Lauro Barata, Arimar Feitosa da Cooperativa Mista da Flona Tapajós e Jose Neto da Natura.

O responsável pela atividade e coordenador do CEFA Steve Mcqueen enfatizou a proposta do primeiro seminário que será realizado anualmente: “Mostrar as iniciativas promissoras do óleo na floresta, aproximar empresas, difundir as pesquisas da universidade para o desenvolvimento sócio ambiental das comunidades que desenvolvem a pratica da extração de óleo na medicina, parte alimentar e cosmético. Com a nossa experiência percebemos que é necessário aproximar as empresas, institutos de pesquisa para construir meios de melhorar produção, beneficiamento e venda desses produtos” – finaliza.

 

Evento organizado pelo Projeto Saúde & Alegria (PSA) com apoio da Fundação Konrad Adenauer (KAS) propõe capacitação continua aos moradores em técnicas e sistemas produtivos mais modernos e eficientes, que ao mesmo tempo preservem a floresta e garantam renda aos extrativistas.

 

Vagas para trabalhar no Projeto Saúde e Alegria

6 de setembro de 2018 por Fábio Pena

O Projeto Saúde e Alegria está contratando profissionais para atuar em seu novo projeto Floresta Ativa, que será apoiado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, com recursos do Fundo Amazônia.

São três vagas:

1 Coordenador (a) do Programa Floresta Ativa;

1 Gestor (a) do Centro Experimental Floresta Ativa – CEFA;

1 Gestor (a) Executivo (a) do Programa Floresta Ativa

Veja os editais nos links abaixo:

Seleção Coordenador FA 2018

Seleção Gestor do CEFA 2018

Seleção Gestor Executivo floresta ativa 2018 (1)