14º Edição da Teia Cabocla começa hoje

25 de março de 2015 por Lilian Campelo
11079650_10204244400046960_5082330166494850544_n

Foto de divulgação

Com o intuito de promover o encontro de várias iniciativas que estão sendo realizadas nas comunidades ribeirinhas pelos jovens com o apoio do Saúde e Alegria, de hoje até sábado ocorre a 14ª edição da Teia Cabocla. O evento será realizado na Chácara A&C no Mararú, na cidade de Santarém.

O Festival de Iniciativas Jovens da Floresta, assim denominado o tema deste ano, reunirá lideranças juvenis da Flona do Tapajós e Resex Tapajós-Arapiuns. A expectativa é que cerca de 80 jovens de 44 comunidades estejam participando da Teia.

O evento irá agregar jovens que estão envolvidos nas diversas iniciativas empreendidas pelo Saúde e Alegria, além de grupos já existentes nas comunidades como os grupos de jovens e rádios comunitárias.

A proposta da Teia Cabocla, desde a primeira edição, é fortalecer os jovens das comunidades a partir do intercâmbio das experiências e o reconhecimento do seu território.

E o palhaço, o que é?

18 de março de 2015 por Adriane Gama
quarteto_clow

Esio Magalhães e as artes-educadoras do PSA.

Ser palhaço vai além do riso”! Esio Magalhães

Neste último final de semana, 14 e 15 de março, na Casa de Cultura aconteceu a oficina “O palhaço o que que é”, facilitada pelo artista circense mineiro Esio Magalhães (Palhaço Zabobrim). O público participante foi veteranos na área cultural e iniciantes que queriam conhecer um pouco da linguagem e da arte de como ser um palhaço.

A proposta central da oficina foi trabalhar com o poder, no sentido de atrair o público. Esio ressalta que “palhaço não é um personagem. Não faz teatro. Ele só vive quando tem pessoas”. As aulas abordaram o encontro da arte com o público, do prazer e do risco do jogo do palhaço, destacando os quatro pontos fundamentais de um palhaço: apresentar, convidar, transformar e despedir-se.

O artista ressaltou que: “você não acorda, não nasce palhaço, tem que ter um esforço para se chegar lá, é claro que tem um lado importante de ver o mundo de maneira risonha, mas ao mesmo tempo é trabalhar para fazer o outro rir. Por exemplo, vamos apresentar um espetáculo em abril, então a gente precisa ensaiar a semana toda, quatro horas por dia, além de executar outras demandas de produção, enfim mas do que tudo é um trabalho que exige empenho e precisa de dedicação”.

Durante esses dois dias, o foco, o interesse e a ação foram pontos determinantes nas práticas com exercícios, jogos e demonstrações, sempre conduzidas para um formato vivencial. Assim, a ideia era propor aos participantes que entrasse em contato com o seu ridículo através da relação com o desejo e o poder.

Ser palhaço é colocar o meu ridículo a serviço do riso das pessoas. De certa maneira, fazendo isso, acho que consigo dizer para pessoas que não tem jeito certo de ser. Ser palhaço é o antagônico do heroísmo, ou seja, é dizer que o pequeno, feio, o baixinho, o fraco também tem sua importância. Porque o herói sempre é uma figura inatingível, o palhaço não, é o menor de todos, mas é importante, pois o que importa para gente é que ele traz o riso”, reforça o artista. “Através do olhar para o pequeno, para desajustado, o palhaço tem a possibilidade de falar sobre as questões sociais importantes da humanidade”, conclui Esio.

As arte-educadoras da Educom do Projeto Saúde e Alegria, Elis Lucien, Leila Verçosa e Adriane Gama, também marcaram presença nestas aulas com intuito de somar esses conhecimentos com as atividades de arte-educação do Circo Mocorongo desenvolvidas pelo PSA, uma vez que o trabalho de Esio é reconhecido em âmbito nacional, além de aproveitar a oportunidade de participar de uma formação gratuita e praticar artes circenses.

A temporada de espetáculos do Palhaço Zabobrim, iniciou-se no final de fevereiro, na Praça Barão de Santarém, com a apresentação do “Circo do Só Êu!”, e em março, na Praça do Sairé em Alter do Chão até chegar nas comunidades ribeirinhas como: São Pedro, no Rio Arapiuns, em Maguari, na Flona e em Nazaré, Vila de Boim e Suruacá, no Rio Tapajós.

Esta ação faz parte do projeto denominado “Ri beirando o rio”, contemplado em 2013, pelo Prêmio Funarte Caixa Carequinha de Estímulo ao Circo. A oficina foi apoiada localmente pelo Grupo de Teatro Las Cabaças e Associação de Teatro de Santarém (Atas).

* Esio Magalhães – Ator, diretor e palhaço Zabobrim, indicado ao premiou Shell como melhor ator em 2007 e 2008. Foi Integrante dos Doutores da Alegria e é sócio fundador do Barracão Teatro em Campinas. Foi considerado o melhor palhaço de todos os tempos por sua mãe.

Vai começar a Copa Floresta Ativa!

1 de abril de 2014 por Bob Barbosa

A Copa Floresta Ativa, de futebol, cultura e educação comunitária, começa nesta sexta e sábado, 04 e 05 de abril, na Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns.  A competição reúne 72 comunidades localizadas nos municípios de Santarém e Aveiro e objetiva promover a inclusão social através do esporte, numa realização do Projeto Saúde & Alegria, Tapajoara (Associação das Comunidades da RESEX Tapajós-Arapiuns) e ICMBio.

CopaFlor-ChamadaAnumã2

A primeira das quatro fases classificatórias, em suas modalidades esportivas e educativas, será em Anumã, margem esquerda do Tapajós, dias 04 e 05 de abril. As outras fases classificatórias, no final do mês e em maio, ocorrerão em Surucuá, São Pedro do Arapiuns e Vila de Boim.  A grande final será no mês de agosto, em comunidade a ser definida dentre as que estão se candidatando.

Uma tradição é recuperada: entre a década de 1990 e 2001 foram realizadas quatro edições da “Copa Três Rios” – referência aos três grandes da região: Amazonas, Tapajós e Arapiuns.  Em 2014, o Projeto Saúde & Alegria junta-se à Associação Tapajoara para promover a quinta edição dessa copa ribeirinha da Amazônia, voltada para as comunidades da Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns.

O nome da Copa indica o tema deste ano: é o Programa Floresta Ativa, que agrega à esta RESEX diversos projetos que contribuem com a viabilidade econômica, social e ambiental das suas 74 comunidades, onde vivem 20 mil pessoas.  Através do programa estão sendo implantados o CEFA- Centro Experimental Floresta Ativa, os Viveiros Comunitários para reposição florestal e também a assistência técnica (ATER) voltada ao agroextravismo, visando melhorar produção e renda famíliar. Outras iniciativas, como programas pedagógicos em defesa dos direitos das crianças e jovens da RESEX, também estão sendo implantadas pelo Projeto Saúde & Alegria e parceiros.

Em todas as etapas, a Copa Floresta Ativa contempla duas competições simultâneas, integradas e voltadas para as comunidades da RESEX: uma é o torneio de futebol (masculino e feminino) e a outra é o Festival de Artes e Educação Comunitária, com exibição de vídeos, músicas, campanhas educativas, jornais e peças de rádio produzidas pelas comunidades, inspiradas no lema “Juventude e Comunidades juntas pela Floresta Ativa!”

Ao final de cada uma das etapas, o Gran Circo Mocorongo, conduzido pelo palhaço Magnólio, celebrará as 74 comunidades e suas seleções, vitoriosas principalmente por estarem se mobilizando pelo desenvolvimento, socialmente justo e ambientalmente sustentável, do território comum a todas elas: a Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns.

Mais informações sobre a Copa, ligue: Projeto Saúde & Alegria (93) 30678000, Paulo Lima (93) 9149-4801, Fábio Pena (93) 9152-9662 ou Tapajoara, através dos diretores Alexandre Imbiriba (93) 9209-8039 e Leônidas Farias (93) 9136-6797.

Encontros de arte-educação mobilizam crianças ribeirinhas

20 de fevereiro de 2014 por Adriane Gama

circo_cri_rola

Criança da roça que está com a razão, com direito à saúde e à educação…”

Ao ritmo contagiante do tema da sessão “As Aventuras do Teca e Zeca, do programa de rádio da Rede Mocoronga, vamos apresentar o balanço geral das primeiras atividades sócio-educativas do Projeto Saúde e Alegria realizadas nos meses de janeiro e fevereiro, em conjunto com as Oficinas de Apresentação do ATER (Assistência Técnica e Extensão Rural) – Incra.

Ao total, estas atividades foram realizadas em 9 comunidades-pólos do Lote 10 e 11(Parauá, Surucuá, Vila do Amorim, Cabeceira do Amorim, Suruacá, Ukena, Capixauã, Pedra Branca e Maripá), os quais estão sob responsabilidade do PSA. Com uma metodologia participativa e lúdica, aconteceram várias dinâmicas e jogos interativos e é claro, as apresentações a parte das crianças no Circo Mocoronga. Tudo de forma bem divertida para se conhecer melhor os direitos fundamentais das crianças e dos adolescentes.

E por falar nelas, tivemos a participação, nestes encontros, de quase 400 crianças ribeirinhas. Conseguimos mobilizar 40 educadores sociais, entre jovens e professores das comunidades, e além do apoio de parceiros da hora, como podemos destacar a arte educadora Marisa Correa, Júlio César (Parauá), Léo Celli – SP e Bruna Thainá, do Coletivo Puraqué.

Aproveitamos esse momento, para agradecer a todas as comunidades ribeirinhas participantes, pelo carinho e atenção com suas crianças e adolescentes. E convidar mais educadores comunitários, os famosos agentes multiplicadores do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), para fortalecer essa rede de proteção especial aos meninos e meninas ribeirinhas. Até os próximos encontros!

Crianças ribeirinhas fazendo arte comunitária

29 de janeiro de 2014 por Adriane Gama

crianca_circoIniciaram-se nos dias 17 a 19 de janeiro, as atividades do ATER (Assistência Técnica e Extensão Rural) do Incra realizadas pelo Projeto Saúde e Alegria nas comunidades ribeirinhas da Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns. Nesta viagem, três comunidades pólos do Lote 11 sediaram este evento com a participação das comunidades do entorno, como Capixauã (Vista Alegre e Novo Progresso), Pedra Branca (Solimões) e Maripá (Vila Franca, Santi, Campo Grande, Carão, Curipatá). Paralelo às oficinas de apresentações, uma equipe de arte-educadoras estiveram acompanhando esta primeira ação com um trabalho direcionado para o público infanto-juvenil.

Enquanto os adultos estavam atentos às informações sobre o ATER, as arte-educadoras Adriane Gama e Elis Lucien conduziram a criançada para as áreas livres das escolas, com a participação de 120 crianças ribeirinhas, entre 3 a 16 anos, com o apoio dos diretores, colaboradores e lideranças locais.

Nos três encontros intercomunitários, as atividades sócio-educativas aconteceram durante o dia, com várias dinâmicas interativas e metodologia participativa e lúdica com o intuito de estimular a percepção e pertencimento local da criança. Na Sessão Desenho Livre com o tema gerador Meio ambiente, por exemplo, após a roda de conversa sobre este assunto, cada participante desenhava sua comunidade, com um olhar voltado para o seu território e elementos baseados no contexto da sua realidade social e familiar.

Leia o resto desse post »

Encontro da Teia Cabocla encerra com a alegria do Circo Mocorongo

9 de dezembro de 2013 por Fábio Pena

circo

Após dois dias de intensos debates entre os 60 jovens que participaram o XIII Encontro da Teia Cabocla de Lideranças Juvenis, promovido pelo Projeto Saúde e Alegria, o evento teve seu encerramento com festa e muita alegria.

A qualidade e a seriedade dos debates sobre os desafios enfrentados hoje pelos jovens da floresta foi destacado como um dos principais pontos positivos deste encontro. Mas, como diz o educador Magnólio de Oliveira, um dos idealizadores da Teia Cabocla, “a alegria não tira nossa seriedade”.

E a alegria esteve presente em todos os momentos do evento, mas foi na noite de sábado, 07/12, que ela mais se destacou, com a apresentação do Circo Mocorongo de Saúde e Alegria. Os jovens foram desafiados a prepararem apresentações criativas traduzindo de forma bem-humorada os temas que foram discutidos.

Um jovem que precisa continuar os estudos, mas enfrenta o dilema de ficar ou ir para a cidade porque em sua comunidade não tem o ensino médio. Outro jovem que pensa em ficar na comunidade, mas não tem alterativas de se sustentar e ter uma renda melhor do que seus pais tiveram. Foram algumas das esquetes apresentadas de forma bastante divertidas, entremeadas pela participação dos palhaços da equipe do Saúde e Alegria.

Quando a última música do circo tocou, era hora de despedida, e aquela sensação de ter vivido um mês em três dias, veio à tona. Era hora de arrumar a bagagem para voltar às comunidades. E a bagagem é muito além do material, mas de responsabilidade comum de lutar para transformar os planos construídos em realidade. Bagagem de ter aumentado a qualidade social, a qualidade cultural e cidadã, de que o futuro somos nós que construímos agora. E a constatação objetiva de que apostar na energia criativa da juventude é a chave para a mudança da realidade.

Teia Cabocla vai discutir desenvolvimento territorial e desafios da juventude

4 de dezembro de 2013 por Paulo Lima

teiacabocla.redimensionado

Vindos de mais de 30 comunidades ribeirinhas atendidas pelo Projeto Saúde e Alegria, cerca de 100 jovens irão se reunir nos dias 05, 06 e 07/12/2013 em Santarém, para discutir os desafios da juventude na perspectiva dos territórios onde vivem, na bacia dos Rios Tapajós e Arapiuns, como a Reserva Extrativista Tapajós Arapiuns, a Floresta Nacional do Tapajós e Assentamentos onde estão localizadas suas comunidades. É o XIII Encontro Teia Cabocla, evento tem apoio da Fundação Telefônica / Vivo, Fundação Konrad Adenauer e Fundo Vale.

Os Encontros da Teia Cabocla são eventos anuais realizados pelo Projeto Saúde e Alegria reunindo todos os grupos de jovens que participam de projetos desenvolvidos pela organização, principalmente a Rede Mocoronga de Comunicação Popular, promovendo a inclusão digital das comunidades e onde os adolescentes protagonizam a prática da comunicação comunitária disseminando campanhas educativas de saúde, direitos da criança, educação ambiental e valorização da cultura local.

Entendendo a juventude com um momento importante do desenvolvimento humano, o Projeto Saúde e Alegria sempre se preocupou em criar oportunidades para que possa desenvolver seus potenciais como pessoas, cidadãos e trabalhadores. Desta forma, surgiram outras iniciativas além da comunicação e da promoção da inclusão digital, como a criação de cursos de empreendedorismo visando qualificar a juventude em novas formas de inserção no mundo do trabalho, por meio da inovação, do uso das tecnologias e da economia criativa. Exemplo disso é o curso Jovens Empreendedores do Tapajós, com apoio da Fundação Telefônica / Vivo, que está em sua fase experimental quase finalizando.

Embora estas ações venham contribuindo para elevar as oportunidades de inclusão social da juventude ribeirinha, existem outros desafios que precisam ser compreendidos e levados em conta dentro de uma visão integral do que é estar sendo jovem na região do Tapajós e Arapiuns. Desafios ligados ao passado, ao presente e ao futuro dos territórios em que vivem. No caso da Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns, por exemplo, onde lutas históricas foram travadas pelas comunidades pela proteção de seu território tradicional, hoje a população tem amparo legal para nela viver e produzir, mas agora enfrentam o desafio de gerir o território e aproveitar seu potencial para desenvolver alternativas econômicas sustentáveis e melhorar as condições de vida de seus moradores. É nas novas gerações que esses desafios mais repercutem.  “O que será da Resex Tapajós/ Arapiuns no futuro se a maioria dos seus jovens saem para morar na cidade em busca de oportunidades? Se as opções de trabalho e renda são bastante restritos e o acesso ao ensino médio, por exemplo, é bastante precário? ”, questiona Paulo Lima, um dos coordenadores do evento.

“Acreditamos ser fundamental o engajamento da juventude nos debates sobre o futuro de seus territórios, não somente porque são eles que vão gerir essas regiões no futuro, mas também porque a energia criativa da juventude pode inspirar novas iniciativas que possam promover mudanças que superem os desafios hoje existentes”, complementa Fábio Pena, educador do Projeto Saúde e Alegria.

Diálogo de gerações

Entre os principais momentos da programação está o “diálogo de gerações”, em que lideranças antigas da Resex Tapajós/ Arapiuns, que participaram ativamente da luta pela sua criação, vão dialogar com os jovens e lideranças atuais, demonstrando suas percepções sobre o que foram as lutas do passado, em que estágio estão agora, e o que pensam sobre o futuro.

Um dos objetivos da atividade é reavivar na memória das novas gerações as lutas históricas do seu povo, como também promover seu engajamento nas lutas atuais numa perspectiva coletiva atual.

Ativismo para defender direitos da juventude ribeirinha

Outro momento importante da programação será quando os jovens vão realizar um diagnóstico da situação atual, através de trabalhos em grupos, apontando quais suas principais demandas e oportunidades existentes. Os debates vão girar em torno de temas como trabalho e renda; educação formal; identidade cultural e o papel do jovem da floresta para a Amazônia e o mundo; participação e ativismo do jovem na comunidade, no território e nos espaços de cidadania; acesso e direito à comunicação e difusão do conhecimento e da educação comunitária; território e meio ambiente.

Em plenária serão eleitas as principais questões a serem trabalhadas no próximo ano pelo coletivo de jovens da Teia Cabocla. As prioridades serão apontadas pelos próprios jovens, mas os coordenadores já adiantam alguns assuntos que poderão ganhar maior relevância. “Demandas como o acesso ao ensino médio de qualidade, o direito à comunicação, a necessidade de oportunidades de renda para a juventude e questões ambientais como os grandes empreendimentos no Tapajós devem aparecer com mais destaque”, argumenta Fábio Pena.

O encontro vai contar com a presença do coordenador da Escola de Ativismo, Marcelo Marquesini, que falará aos jovens sobre experiências de ativismo para defender causas comuns, ideias ou promover mobilizações na sociedade. “Nossa proposta é trazer elementos para que os jovens possam utilizar melhor os instrumentos que as comunidades já tem acesso, como os telecentros, os blogs, as rádios, as redes sociais para ter uma voz mais ativa sobre questões mais regionais e não apenas localizadas, afinal, os problemas da juventude numa comunidade são bastante comuns nas demais de uma mesma região”, afirma Paulo Lima.

Como resultado do encontro espera-se que os jovens elaborem planos de ação em forma de campanhas para que possam ter um papel mais ativo na defesa de seus próprios direitos.

 

XIII Teia Cabocla: Desenvolvimento Territorial e Desafios da Juventude

27 de novembro de 2013 por Adriane Gama

13 teia cabocla Beta 1.0

Salve colaboradores digitais, repórteres comunitários e lideranças juvenis das comunidades ribeirinhas! Está chegando a hora do grande encontro anual da Rede Mocoronga de Comunicação Popular, a XIII Teia Cabocla. Com o tema “Desenvolvimento Territorial e Desafios da Juventude”, o evento acontecerá nos dias 5, 6, 7 de dezembro, na Chácara Roberto Magalhães, na BR-163, km 7, no bairro Cambuquira.

A Teia Cabocla, neste ano, irá discutir sobre os principais desafios e oportunidades para a vida dos jovens nas regiões Resex Tapajós-Arapiuns, Flona Tapajós e Assentamentos. Assuntos como trabalho e renda, educação, acesso à informação, direitos infanto-juvenis, participação comunitária, meio ambiente e políticas públicas, serão debatidos por um público de aproximadamente 100 jovens comunicadores, representantes das Rádios, Telecentros, Jornais e Blogs das comunidades, do Programa Floresta Ativa e do Pólo 3G.

A programação desta Teia Cabocla terá múltiplas ações colaborativas como: dinâmicas, trabalhos em grupos, participação das lideranças da Tapajoara, debate sobre ativismo, oficinas criativas, Circo Mocorongo e o festival de vídeos Mocoroscar. A cobertura completa do evento será realizada pelos próprios repórteres comunitários através das diversas mídias da Rede Mocoronga, como TV, blog e rádio com transmissão FM.

Seguindo a metodologia do encontro, cada participante trará algum objeto, artesanato ou publicação que retrate o perfil da juventude da sua comunidade, compartilhando assim, o passado, o presente e os desejos para o futuro. Esses materiais serão usados na apresentação das comunidades durante o evento.

Fique ligado, você jovem comunitário que participará da XIII Teia Cabocla, nas dicas importantes deste encontro:

  • Lembre-se de trazer seus documentos pessoais (RG e CPF) e solicitar ao comandante, antes de sair da embarcação, os comprovantes das passagens de ida e volta para o reembolso de passagens.

  • No dia 05 (quinta) às 11 horas da manhã, haverá dois ônibus fretados para transportar os participantes. Para os jovens do Rio Tapajós o ônibus sairá da Praça São Raimundo Nonato e para os do Arapiuns, o ônibus sairá do Mercadão 2000. Na volta, dia 8 de dezembro, os ônibus retornarão com os participantes para os mesmos locais.

  • Para as comunidades que tem Telecentro ou integram o Pólo 3G, é importante trazer um notebook para registrar as atividades do encontro e replicá-las nas suas comunidades. (Faça a reunião o oficialize a vinda desse equipamento e responsabilize-se por ele)

  • Fique atento às informações do programa Rede Mocoronga, na Rádio Rural, neste sábado, das 10 às 11h e no domingo, das 4 às 5h da manhã.

  • Para maiores esclarecimentos ou dúvidas, entre em contato com: Elis Lucien (9158-7800), Adriane Gama (3067-8023) ou PSA (3067-8024)

Então, juventude ribeirinha! Aproveite esse tempo, faça uma reunião em sua comunidade e venha balançar essa Rede!!!

Circo Mocorongo participa da Semana do Bebê

22 de novembro de 2013 por Adriane Gama

apresentação

Respeitável público! Tá na hora da alegria com o Circo Mocorongo!” A participação social do Projeto Saúde e Alegria aconteceu no último dia da Semana do Bebê, com uma especial apresentação do Circo Mocorongo, às 10h da manhã, no Parque da Cidade, paralela às atividades socioeducativas e de saúde voltada paras as mamães e bebês de Santarém.

A finalidade do circo foi trabalhar com informações e orientações sobre os temas: planejamento familiar e aleitamento materno, brincando através do lúdico, entre brincadeiras, esquetes, músicas educativas e exibição do vídeo “Recado da Lili”, produzido pelos jovens ribeirinhos da comunidade de Suruacá, da Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns.

Neste palco circense, foi estrelada pela trupe de arte-educadores do PSA: Magnólio de Oliveira, Elis Lucien, Adriane Gama, Ândrea Colares, Gabriel Abreu e Juscelino Filho, e contou com a participação ilustre dos artistas populares Marisa Correa, Pimenta e Ellen Acioli. O público presente convidado para este show, foram os alunos da escola municipal Ubado Correa, os quais interagiram com muita animação e atenção sobre os cuidados com esta nova geração.

A Semana do Bebê em Santarém finaliza hoje à noite, com uma apresentação cultural com os artistas locais, na orla da cidade. Mas a ideia coletiva continua! Vamos todos juntos fortalecer a proteção e direitos da primeira infância na nossa região!

Quem lembra desta data em Suruacá ? 20 de outubro…

15 de outubro de 2013 por jerffeson

É … neste dia 20 de outubro de 2013 esta fazendo 4 anos que o  apresentador da Rede Globo LUCIANO HUCK chegava em Suruacá, para fazer uma parte de seu programa CALDEIRÃO DO HUCK que na época mostrava uma família de São Paulo que veio para Amazônia para vivenciar  uma realidade totalmente diferente. Suruacá parou na quele momento para assistir Luciano…

dsc016311

huck