Encontro reúne PSA com o Conselhos Infanto-Juvenis de Belterra

8 de julho de 2014 por Adriane Gama

cons_tutelar_beltPela manhã do dia 25 de junho, em Belterra, município vizinho de Santarém, aconteceu uma reunião entre o Projeto Saúde e Alegria – PSA, Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente – CMDCA e Conselho Tutelar. Estiveram ainda presentes, representantes do Conselho Municipal de Assistência Social – CMAS, Centro de Referência de Assistência Social – CRAS, Prefeitura de Belterra e Associação Comunitária de Aramanaí – ASCA.

O objetivo do encontro foi articular uma parceria intermunicipal entre a região de Santarém e Belterra, visando ativar o programa Projeto Adolescentes Comunicadores pela Cidadania na Amazônia do PSA, com apoio da Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), baseado nas competências da vida como: auto estima, valorização da sua identidade e do seu corpo, aprender a conviver em grupo, conhecer seus próprios direitos, formando assim, grupos coletivos de jovens educadores populares, com planos de ação voltados para escolas e comunidades.

O coordenador de educação Fábio Pena e sua equipe de arte-educadoras do PSA, Adriane Gama e Elis Lucien apresentaram este trabalho ligado às causas infanto juvenil e ressaltaram tratar-se de um trabalho de educomunicação que acontecerá na sede de Belterra e em três comunidades rurais ribeirinhas, utilizando como metodologia, oficinas de educação e comunicação comunitária com práticas de uso de ferramentas tecnológicas multimidiáticas direcionadas para adolescentes e jovens.

Durante este período, acontecerão quatro ciclos de oficinas de educomunicação integradas à campanhas e conteúdos educativos, com apoio da Prefeitura, incentivando e valorizando o perfil de liderança juvenil local, sendo que as iniciativas sócio-educativas juvenis terão apoio logístico, alimentação e material didático. Por sua vez, o CMDCA de Belterra convidou o PSA a participar da elaboração do plano de ações dos Conselhos, sendo que estas propostas do Projeto poderiam fazer parte deste documento.

Na ocasião, Silmara Rodrigues, do gabinete da Prefeitura e articuladora do SELO Unicef em Belterra, aproveitou o momento para informar sobre a realização do I Fórum Comunitário, compromisso firmado pelos governos da Amazônia. A finalidade do evento é levantar um diagnóstico municipal que envolva toda a sociedade belterrense com debates coletivos sobre políticas públicas e indicadores sociais que garantem os direitos das crianças.

Os encaminhamentos finais ficaram para os conselhos mobilizarem a participação juvenil e indicarem como propostas de trabalho, temas ligados às situações problemas mais enfrentados no município, como: violência contra as crianças, abusos e drogas ilícitas (consumo).

Conhecimentos Livres de Metareciclagem na Casa Puraqué

20 de fevereiro de 2014 por Adriane Gama

ofic_metarecO Coletivo Puraqué realiza neste próximo sábado, dia 22 de fevereiro, uma Oficina de Conhecimentos Livres de Metareciclagem com o apoio da Secretaria Nacional da Juventude, pelo ambiente virtual interativo – O participatório – Observatório Participativo da Juventude, voltado para a produção de conhecimento e experiências colaborativas da juventude brasileira.

A maloca do Puraqué (espaço cultural comunitário) será o palco desse encontro de cultura digital que contará com a participação de alunos e colaboradores da terceira turma dos Cursos de Informática do Puraqué, estudantes da Escola Municipal Santa Luzia, no bairro do Amparo e moradores da Grande Área do Santarenzinho e do Maracanã.

O objetivo do evento é promover uma intervenção de apropriação cidadã da tecnologia, através das atividades da Metareciclagem, uma metodologia que estimula o fazer em equipe, através da construção colaborativa do conhecimento, usando como material didático, computadores obsoletos para dismistificar a sua “caixa preta”. A ideia é sensibilizar a comunidade sobre a importância da consciência ambiental e trocar experiências em busca de soluções criativas para uma transformação social em sua realidade. Leia o resto desse post »

XIII Teia Cabocla: Desafios do território, como enfrentá-los?

8 de dezembro de 2013 por Paulo Lima

desafiosteia.redimensionado Ultimo dia da Teia Cabocla define metas e estratégias para superar desafios

Por Carlos Joseph

No último dia (07/12/2013) da XII Teia Cabocla foram finalizados os trabalhos de discussão sobre o desenvolvimento territorial e desafios da juventude na Reserva Extrativista (Resex) Tapajós – Arapiuns. As atividades nos três dias foram desenvolvidas a partir da seguinte trajetória: relembrar as lutas sociais pela conquista do território, avaliar os atuais desafios e como o jovem lida com eles e por último estimular a sugestão de estratégias concretas para superar os desafios identificados durante o encontro.

Tais estratégias concretas tem relação direta com ativismo e para auxiliar na elaboração dos planos, os participantes da Teia Cabocla tiveram um bate papo com Marcelo Marquezine da Escola de Ativismo. A Escola de Ativismo é uma organização que dá suporte a diversos movimentos sociais em todo o Brasil e o ativismo é a prática da luta por um bem comum. Marquezine deixa claro porém, que essa luta não pode ser confundida com violência. “Temos que saber o limite do que fazer para não chegar à violência. Por mais justo que a causa possa parecer é preciso sempre evitar a violência”, explica Marcelo.

Um bom exemplo de ativismo foram as manifestações de julho deste ano no Brasil, onde um movimento, pela redução da passagem de ônibus em São Paulo, desencadeou diversos outros manifestos que mobilizaram, segundo o IBOPE, 12 milhões de pessoas em todo Brasil. Marcelo usou este exemplo para explicar que a prática do ativismo demanda um bom planejamento e é necessário evitar manifestações motivadas apenas por empolgação. “Vamos ser ativistas, mas não no ‘oba oba’. Tem que ter tática, estratégia. É preciso saber se é a hora certa daquela ação e nunca entrar de peito aberto, se necessário procure um advogado antes.”, enfatiza.

O ativista ressaltou ainda que em qualquer ação é necessário pensar em comunicação, chamar atenção para a causa. É importante que os objetivos e reivindicações sejam claros e definidos. Hoje em dia o ativismo está muito ligado à internet pela facilidade que a rede proporciona em desenvolver esta comunicação necessária, além de compartilhar informações e criar conexões.

Ações concretas propostas na Teia Cabocla

A partir das dicas de ativismo os participantes do evento se reuniram em cinco grupos de trabalho para traçar metas específicas de ação sobre os temas: participação juvenil, educação (ensino médio de qualidade), trabalho e renda e acesso à informação/direito à comunicação. Esta última etapa do evento se justifica pelo princípio de que não basta apenas levantar e reconhecer os problemas existentes, mas também é necessário partir para ação almejando alcançar as mudanças necessárias.

Temas discutidos na última atividade da Teia Cabocla:

gruposteia.redimensionadoOrganização e mobilização juvenil:

Este tema é relacionado ao fato de muito jovens não se interessarem pelos movimentos sociais, reuniões de sindicatos e outros grupos de mobilização. Durante o encontro de gerações da Teia Cabocla, que reuniu antigos e novas lideranças em uma mesa redonda, o jovem João Paulo citou esta problemática. “Falta engajamento de muita gente e recebemos muitas críticas por conta desses jovens que não se interessam na defesa do território. Temos muitas dificuldades de fazer as pessoas entenderem que é preciso lutar pelo bem comum”, ressalta a jovem liderança.

Nos grupos de trabalho os jovens identificaram que o problema ocorre, principalmente devido a falta de apoio dos pais, que não incentivam a participação dos filhos e também pelas reuniões não atraírem as atenções dos jovens. Como solução foi proposta que haja reuniões específicas para a juventude que envolva música, dança e outras atividades que atraiam os jovens. Os próprios jovens tomarão à frente para que as mudanças ocorram.

Trabalho e renda:

A dificuldade no acesso à educação de qualidade e a falta de capacitação técnica dificultam a busca por alternativa de geração de renda nas comunidades da Resex. Os participantes destacaram que é preciso estimular o espírito empreendedor do jovem para aproveitar o que pode ser feito com recursos disponíveis na comunidade para gerar renda, mas que é também preciso ter acesso a mais cursos de qualificação em empreendedorismo para inclusão produtiva. O grupo que trabalhou o tema propôs ainda a formação de uma cooperativa mista, dentro do Programa Floresta Ativa do PSA. Esta cooperativa proporcionaria mais renda através do trabalho coletivo e utilizaria de forma sustentável os recursos disponíveis na Resex.

Meio Ambiente:

O principal objetivo da Resex é garantir a conservação dos recursos tradicionalmente utilizados pela população extrativista da área, por isso a preservação do meio ambiente deve sempre ser discutida. A grande problemática relacionada ao tema é que certos fatos, que vão de encontro com o objetivo da Resex, estão passando despercebido pelos moradores das comunidades. Podem ser citados exemplo como a aproximação de madeireiras que invadem os limites da reserva e a construção de hidrelétricas no alto Tapajós.

O grupo que conduziu o tema questionou que este fatos, apesar da importância, não são contextualizados nos jornais e rádios das comunidades e sugeriu criar uma rede de comunicação do meio ambiente para que haja um fluxo de informações entre as comunidades.

Educação:

A dificuldade no acesso ao ensino médio faz com que muitos jovens deixem suas comunidades e migrem para Santarém com a intenção de concluir o ensino básico. Já nas comunidades onde existe acesso ao ensino médio este é ofertado na modalidade modular. De acordo com os jovens da Resex o ensino modular, apesar de ser uma alternativa para concluir o ensino básico, não é adequado.

É necessário que o jovem lute por uma educação de qualidade. O grupo que se aprofundou no tema propôs as seguintes ações para iniciar um movimento por uma educação melhor: Expor a realidade educacional para as comunidades, pautar o assunto em movimentos sociais, nas entidades representativas e organizações sindicais e criar um grupo de estudo e pesquisa sobre o tema. O objetivo desta última proposta é ter um embasamento científico que comprove o problema e identifique o real cenário da educação nas comunidades. Além disso devem lutar por um modelo de ensino médio voltado para os potenciais produtivos da Resex, mais focada, por exemplo,  na profissionalização do jovens para o manejo dos recursos naturais.

Para se avançar nas metas seriam utilizadas as redes sociais para expor a situação e criar espaços de discussão com o tema a “escola que queremos”.

Acesso à informação e direito à comunicação

O acesso à comunicação hoje é uma das formas mais eficientes de se fortalecer as lutas sociais em busca do bem comum. Como enfatizou Marcelo Marquesine da Escola de Ativismo, em qualquer ação é necessário pensar em comunicação.

Nos últimos anos houve avanços significativos neste sentido dentro da Resex com a instalação de telecentros e ampliação da cobertura telefônica. Porém, ainda há muito o que se conquistar. Nesta perspectiva se propôs intensificar a cobrança pela agilidade na instalação de novos telecentros. Uma forma de pressionar por esta agilidade é expor os problemas na imprensa local e denunciar através de vídeos e postagem nas redes sociais

Outra proposta é se organizar para que se conquiste a concessão de sinais de rádios comunitárias, transformando rádios postes em FM. Outro bandeira de luta é cobrar a ampliação do Programa Luz Para Todos para facilitar a utilização de aparelhos eletrônicos de comunicação. Chama a atenção o atraso da implementação do Programa Telecentros.BR que já entregou equipamentos e mobiliários para vários Telecentros Comunitários mas entraves burocráticos impedem a instalação desses espaços de acesso à informação, cultura, educação e comunicação. Como proposta os jovens indicaram a organização de uma campanha nas redes sociais e abaixo assinado para dar visibilidade ao problema.

Protagonismo juvenil

A grande lição deixada pela XII Teia da Comunicação é de que o futuro da Resex está nas mãos dos jovens. As decisões tomadas hoje, bem como as atitudes adotadas, influenciarão diretamente no desenvolvimento territorial da reserva.

O jovem tem a força, audácia e motivação para superar os desafios e mostrou, que ao contrário do que se pensa, está disposto participar ativamente da luta pelo bem comum.

 

Encontro de gerações na XIII Teia Cabocla

6 de dezembro de 2013 por Paulo Lima

Foto Ellen Acioli

Por Carlos Eduardo Joseph

Olhar para o futuro se espelhando no passado e cuidando do presente. Nesta perspectiva foi conduzido o Diálogo entre gerações nos territórios, uma das atividades da XIII Teia Cabocla. Através de uma mesa redonda foram colocados lado a lado lideranças comunitárias, da antiga e nova geração. No centro do debate estavam os desafios enfrentados na Reserva Extrativista (Resex) Tapajós – Arapiuns.

O que almeja um jovem que vive em uma das comunidades da Resex? Quais as suas perspectivas e como ele se integra na luta pela preservação do território? E como líderes que participaram ativamente da luta pela criação da Resex observam o papel dos jovens agora com a reserva consolidada? São questionamentos que levam a uma reflexão profunda sobre o papel social de todos no contexto de preservação cultural e ambiental.

Entre os participantes da mesa redonda estavam Livaldo Sarmento de 55 anos e Antônio Oliveira, mais conhecido como Seu Mucura, de 75 anos. Ambos são lideranças que participaram ativamente da luta pela criação da Resex. Os outros participantes eram os jovens Julio César e João Paulo de 19 anos e Ingride Natália de 17 anos, todos dando os primeiros passos nas lutas sociais. Com todos sentados à mesa era interessante o impacto visual provocado pela diferença de idade, porém, mais interessante ainda foi observar que apesar de pertencerem a gerações diferentes todos compartilham os mesmos ideais de conquistas através da união comunitária.

Na Resex Tapajós – Arapiuns moram cerca de 22 mil pessoas em 74 comunidades. A reserva foi criada em 1998, após muita luta contra a exploração madeireira intensiva, que ameaçava comunidades tradicionais com modo de vida baseado no extrativismo e agricultura de subsistência. “Chegou um momento que tivemos que unir todas as comunidades e lutar para garantir que essas terras continuassem sendo nossas e de nossos filhos e netos”, lembra Livaldo Sarmento.

geracoes

Após 15 anos a consolidação da Reserva Extrativista, como um ambiente ideal para a vida harmoniosa do homem com o meio ambiente, passa necessariamente pela ampliação de serviços essenciais como saúde e educação. Além disso é importante criar mecanismos de capacitação comunitária para melhor aproveitamento dos recursos naturais disponíveis. Tais benefícios só podem ser conquistados a partir da união das comunidades para cobrar melhorias do poder público. Neste caso o papel do jovem é fundamental.

Seu Antônio Oliveira afirma que vê com muito entusiasmo a participação do jovem nas lutas comunitárias. “No meu tempo conseguimos criar muitos grupos de apoios, associações, sindicatos e outras formas de organização comunitária, e eu percebo que o jovem de hoje é muito parecido com o daquele tempo”, declara Antônio. Ingride Natália esclarece que o engajamento de muitos jovens é fruto do exemplo tomado com antigas lideranças. “Eu cresci vendo a luta dos meus pais e outros comunitários e me tornei uma pessoa comprometida com o bem comum. E tudo isso me faz ter vontade de me engajar em sindicatos, associações e até no conselho deliberativo da Resex e outros projetos”, enfatiza a jovem.

A dupla de líderes mais antigas, Livaldo e Antônio, observam uma vida melhor nas comunidades após a criação da Resex. “Hoje nós já temos mais escolas, casas de alvenaria e outros projetos conquistados com organização e muita luta”, esclarece Livaldo. Todos enfatizam ainda que hoje há facilidades de mobilização e comunicação, uma vez que em muitas comunidades já funcionam celulares e Internet, além de haver mais embarcações que fazem o transporte comunitário. “Minha mãe conta que antes para participar de reuniões de sindicatos em Santarém uma viagem demorava até uma semana, por conta do barco ser pequeno. Hoje em dia a viagem é muito mais rápida”, lembra Ingride Natália.

Mesmo com o quadro otimista, apontado pelos comunitários, há motivos para preocupação. João Paulo afirma que da mesma forma que há um número considerado de jovens comprometidos com as lutas sociais, também é grande os que não se preocupam com as causas da reserva. “Falta engajamento de muita gente e recebemos muitas críticas por conta desses jovens que não se interessam na defesa do território. Temos muitas dificuldades de fazer as pessoas entenderem que é preciso lutar pelo bem comum”, ressalta a jovem liderança.

As preocupações evidenciam a importância da união para as conquistas sociais. “Meus pais dizem que é nossa missão valorizar a cultura local, lutar pelo território. Podemos fazer isso utilizando os recursos que nós temos”, enfatiza Júlio César. Livaldo lembra que os jovens com 15 anos hoje não viram a luta pela criação da Resex e que cabe aos adultos sempre dar apoio aos mais jovens e lembrar dos desafios, porém cabe aos mais novos tomar à frente das associações e bandeiras de luta. “O futuro da Resex está no que esta geração decidir”, enfatiza o comunitário.

Uma boa fórmula, para que a Resex cumpra seu papel de garantir a exploração autossustentável dos recursos naturais, é mesclar a experiência de quem já enfrentou muitos desafios na luta comunitária e a motivação, audácia e força dos jovens.

Teia Cabocla vai discutir desenvolvimento territorial e desafios da juventude

4 de dezembro de 2013 por Paulo Lima

teiacabocla.redimensionado

Vindos de mais de 30 comunidades ribeirinhas atendidas pelo Projeto Saúde e Alegria, cerca de 100 jovens irão se reunir nos dias 05, 06 e 07/12/2013 em Santarém, para discutir os desafios da juventude na perspectiva dos territórios onde vivem, na bacia dos Rios Tapajós e Arapiuns, como a Reserva Extrativista Tapajós Arapiuns, a Floresta Nacional do Tapajós e Assentamentos onde estão localizadas suas comunidades. É o XIII Encontro Teia Cabocla, evento tem apoio da Fundação Telefônica / Vivo, Fundação Konrad Adenauer e Fundo Vale.

Os Encontros da Teia Cabocla são eventos anuais realizados pelo Projeto Saúde e Alegria reunindo todos os grupos de jovens que participam de projetos desenvolvidos pela organização, principalmente a Rede Mocoronga de Comunicação Popular, promovendo a inclusão digital das comunidades e onde os adolescentes protagonizam a prática da comunicação comunitária disseminando campanhas educativas de saúde, direitos da criança, educação ambiental e valorização da cultura local.

Entendendo a juventude com um momento importante do desenvolvimento humano, o Projeto Saúde e Alegria sempre se preocupou em criar oportunidades para que possa desenvolver seus potenciais como pessoas, cidadãos e trabalhadores. Desta forma, surgiram outras iniciativas além da comunicação e da promoção da inclusão digital, como a criação de cursos de empreendedorismo visando qualificar a juventude em novas formas de inserção no mundo do trabalho, por meio da inovação, do uso das tecnologias e da economia criativa. Exemplo disso é o curso Jovens Empreendedores do Tapajós, com apoio da Fundação Telefônica / Vivo, que está em sua fase experimental quase finalizando.

Embora estas ações venham contribuindo para elevar as oportunidades de inclusão social da juventude ribeirinha, existem outros desafios que precisam ser compreendidos e levados em conta dentro de uma visão integral do que é estar sendo jovem na região do Tapajós e Arapiuns. Desafios ligados ao passado, ao presente e ao futuro dos territórios em que vivem. No caso da Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns, por exemplo, onde lutas históricas foram travadas pelas comunidades pela proteção de seu território tradicional, hoje a população tem amparo legal para nela viver e produzir, mas agora enfrentam o desafio de gerir o território e aproveitar seu potencial para desenvolver alternativas econômicas sustentáveis e melhorar as condições de vida de seus moradores. É nas novas gerações que esses desafios mais repercutem.  “O que será da Resex Tapajós/ Arapiuns no futuro se a maioria dos seus jovens saem para morar na cidade em busca de oportunidades? Se as opções de trabalho e renda são bastante restritos e o acesso ao ensino médio, por exemplo, é bastante precário? ”, questiona Paulo Lima, um dos coordenadores do evento.

“Acreditamos ser fundamental o engajamento da juventude nos debates sobre o futuro de seus territórios, não somente porque são eles que vão gerir essas regiões no futuro, mas também porque a energia criativa da juventude pode inspirar novas iniciativas que possam promover mudanças que superem os desafios hoje existentes”, complementa Fábio Pena, educador do Projeto Saúde e Alegria.

Diálogo de gerações

Entre os principais momentos da programação está o “diálogo de gerações”, em que lideranças antigas da Resex Tapajós/ Arapiuns, que participaram ativamente da luta pela sua criação, vão dialogar com os jovens e lideranças atuais, demonstrando suas percepções sobre o que foram as lutas do passado, em que estágio estão agora, e o que pensam sobre o futuro.

Um dos objetivos da atividade é reavivar na memória das novas gerações as lutas históricas do seu povo, como também promover seu engajamento nas lutas atuais numa perspectiva coletiva atual.

Ativismo para defender direitos da juventude ribeirinha

Outro momento importante da programação será quando os jovens vão realizar um diagnóstico da situação atual, através de trabalhos em grupos, apontando quais suas principais demandas e oportunidades existentes. Os debates vão girar em torno de temas como trabalho e renda; educação formal; identidade cultural e o papel do jovem da floresta para a Amazônia e o mundo; participação e ativismo do jovem na comunidade, no território e nos espaços de cidadania; acesso e direito à comunicação e difusão do conhecimento e da educação comunitária; território e meio ambiente.

Em plenária serão eleitas as principais questões a serem trabalhadas no próximo ano pelo coletivo de jovens da Teia Cabocla. As prioridades serão apontadas pelos próprios jovens, mas os coordenadores já adiantam alguns assuntos que poderão ganhar maior relevância. “Demandas como o acesso ao ensino médio de qualidade, o direito à comunicação, a necessidade de oportunidades de renda para a juventude e questões ambientais como os grandes empreendimentos no Tapajós devem aparecer com mais destaque”, argumenta Fábio Pena.

O encontro vai contar com a presença do coordenador da Escola de Ativismo, Marcelo Marquesini, que falará aos jovens sobre experiências de ativismo para defender causas comuns, ideias ou promover mobilizações na sociedade. “Nossa proposta é trazer elementos para que os jovens possam utilizar melhor os instrumentos que as comunidades já tem acesso, como os telecentros, os blogs, as rádios, as redes sociais para ter uma voz mais ativa sobre questões mais regionais e não apenas localizadas, afinal, os problemas da juventude numa comunidade são bastante comuns nas demais de uma mesma região”, afirma Paulo Lima.

Como resultado do encontro espera-se que os jovens elaborem planos de ação em forma de campanhas para que possam ter um papel mais ativo na defesa de seus próprios direitos.

 

XIII Teia Cabocla: Desenvolvimento Territorial e Desafios da Juventude

27 de novembro de 2013 por Adriane Gama

13 teia cabocla Beta 1.0

Salve colaboradores digitais, repórteres comunitários e lideranças juvenis das comunidades ribeirinhas! Está chegando a hora do grande encontro anual da Rede Mocoronga de Comunicação Popular, a XIII Teia Cabocla. Com o tema “Desenvolvimento Territorial e Desafios da Juventude”, o evento acontecerá nos dias 5, 6, 7 de dezembro, na Chácara Roberto Magalhães, na BR-163, km 7, no bairro Cambuquira.

A Teia Cabocla, neste ano, irá discutir sobre os principais desafios e oportunidades para a vida dos jovens nas regiões Resex Tapajós-Arapiuns, Flona Tapajós e Assentamentos. Assuntos como trabalho e renda, educação, acesso à informação, direitos infanto-juvenis, participação comunitária, meio ambiente e políticas públicas, serão debatidos por um público de aproximadamente 100 jovens comunicadores, representantes das Rádios, Telecentros, Jornais e Blogs das comunidades, do Programa Floresta Ativa e do Pólo 3G.

A programação desta Teia Cabocla terá múltiplas ações colaborativas como: dinâmicas, trabalhos em grupos, participação das lideranças da Tapajoara, debate sobre ativismo, oficinas criativas, Circo Mocorongo e o festival de vídeos Mocoroscar. A cobertura completa do evento será realizada pelos próprios repórteres comunitários através das diversas mídias da Rede Mocoronga, como TV, blog e rádio com transmissão FM.

Seguindo a metodologia do encontro, cada participante trará algum objeto, artesanato ou publicação que retrate o perfil da juventude da sua comunidade, compartilhando assim, o passado, o presente e os desejos para o futuro. Esses materiais serão usados na apresentação das comunidades durante o evento.

Fique ligado, você jovem comunitário que participará da XIII Teia Cabocla, nas dicas importantes deste encontro:

  • Lembre-se de trazer seus documentos pessoais (RG e CPF) e solicitar ao comandante, antes de sair da embarcação, os comprovantes das passagens de ida e volta para o reembolso de passagens.

  • No dia 05 (quinta) às 11 horas da manhã, haverá dois ônibus fretados para transportar os participantes. Para os jovens do Rio Tapajós o ônibus sairá da Praça São Raimundo Nonato e para os do Arapiuns, o ônibus sairá do Mercadão 2000. Na volta, dia 8 de dezembro, os ônibus retornarão com os participantes para os mesmos locais.

  • Para as comunidades que tem Telecentro ou integram o Pólo 3G, é importante trazer um notebook para registrar as atividades do encontro e replicá-las nas suas comunidades. (Faça a reunião o oficialize a vinda desse equipamento e responsabilize-se por ele)

  • Fique atento às informações do programa Rede Mocoronga, na Rádio Rural, neste sábado, das 10 às 11h e no domingo, das 4 às 5h da manhã.

  • Para maiores esclarecimentos ou dúvidas, entre em contato com: Elis Lucien (9158-7800), Adriane Gama (3067-8023) ou PSA (3067-8024)

Então, juventude ribeirinha! Aproveite esse tempo, faça uma reunião em sua comunidade e venha balançar essa Rede!!!

Mostra Comunitária paralela no Festival de Vídeo

21 de novembro de 2013 por Adriane Gama

mostra_paralela

Foi realizado na noite de 18 de novembro, na Praça do Mirante (centro), um especial encontro cineclubista amazônico através da Mostra Paralela de Vídeos Urbanos e Rurais do Tapajós, realizado pelo Projeto Saúde e Alegria e Coletivo Puraqué, no I Festival de Vídeo da Faculdade Integrada do Tapajós (FIT).

Foram apresentadas 16 curtas produzidas coletivamente por crianças, jovens e lideranças das comunidades ribeirinhas e bairros periféricos da cidade com enfoque voltado para as questões socioambientais e sociodigitais retratando de forma lúdica, a realidade da região. Logo após a exibição dos filmes houve uma conversa livre com os realizadores e com o público presente, conduzido pelos facilitadores Magnólio Sposito e Adriane Gama.

O Festival de Vídeo FIT segue até o dia 22 de novembro com a grande noite de entrega dos prêmios aos vencendores. O evento propõe incentivar e mobilizar estudantes e mercado, consumidores e cidadãos para a produção e compartilhamento de pequenos vídeos.

Jovens Empreendedores Participam de Curso de Comunicação Escrita

18 de outubro de 2013 por Adriane Gama

 

O Projeto Conoficina_portuguesexão Amazônia em parceria com a Universidade Federal do Oeste do Pará – UFOPA, realiza a partir de hoje pela manhã, o curso de Comunicação Escrita Eficaz: Sistematização da Expressão do Pensamento, facilitada pelo professor Roberto Paiva1 para os jovens empreendedores do Tapajós, no auditório do Projeto Saúde e Alegria.

A finalidade deste curso é incentivar os participantes a desenvolver habilidade na leitura, escrita e produção de textos, contribuindo com as ideias de cada empreendedor social, na elaboração de seus projetos, planos de negócio e currículo. Este curso terá a duração de 40h e acontecerá somente pela manhã, de 8 às 12h, de 18 a 29 de outubro.

Leia o resto desse post »

Encontro ativo dos Jovens Empreendedores do Tapajós

26 de setembro de 2013 por Adriane Gama

jovens-mapaFoi realizado no dia 19 de setembro, no auditório do Projeto Saúde e Alegria, o terceiro encontro dos jovens empreendedores sociais do projeto Conexão Amazônia, com o apoio da Fundação Telefônica/ Vivo. Estavam presentes 22 participantes das comunidades rurais: Anã, Suruacá, Urucureá, Muratuba, Prainha, Curuai, Parauá, da vila de Alter do Chão e de Santarém.

O evento mediado pela equipe de educomunicação do PSA começou com uma dinâmica de grupo de apresentação, já que neste dia, houve a entrada de novos participantes no Puxirum Digital, uma inédita produtora colaborativa do projeto. Em seguida, houve a apresentação da programação e metas das atividades do dia, bem como um comprometimento coletivo através de um acordo de convivência durante os encontros. Leia o resto desse post »

Conexão Amazônia conquista premiação internacional

26 de fevereiro de 2013 por Paulo Lima

Projeto Conexão Amazônia, desenvolvido numa parceria entre Fundação Telefônica / Vivo , Ericsson e Projeto Saúde & Alegria conquistou em Barcelona o  Prêmio Mundial de Comunicação Móvel na categoria Melhor Produto, Iniciativa ou Serviço para Mercados Emergentes.

Nova vitalidade e novas oportunidades foram adquiridas durante 4 anos de desenvolvimento, possibilitadas através da conexão banda larga. A Fundação TelefônicVivo e Ericsson instalaram a primeira estação base de rádio em 2009 na pequena cidade de Belterra, Pará, Brasil, fornecendo voz 3G e pacotes de dados para 30,000 pessoas em 175 comunidades. Em 2010, a cobertura 3G foi estendida para um barco conectado que fornece serviços de saúde e educação para ribeirinhos que vivem nas margens do Rio Tapajós. A expansão alcançou a remota comunidade de Suruacá em 2011, com a instalação de uma nova estação rádio base funcionando com energia solar e o programa Connect To Learn foi lançado em 2012.

É o Projeto Conexão Amazônia, um programa de inclusão digital apoiado pela Fundação Telefônica Vivo e Ericsson (NASDAQ: ERIC)  que foi anunciado hoje, dia 26/02, durante Congresso realizado em Barcelona, ganhador do Prêmio Mundial de Comunicação Móvel na categoria Melhor Produto, Iniciativa ou Serviço para Mercados Emergentes.

Em 2009, a Vivo e a Ericsson, em colaboração com a Organização Não-Governamental Projeto Saúde e Alegria, começaram um projeto para possibilitar a comunicação e o melhor acesso à saúde, educação e crescimento econômico em uma região remota do mundo. O acesso à tecnologia de informação nas comunidades levou a expandir as aplicações, despertando o espírito de empreendedorismo, possibilidades de emprego e expressão cultural.

Uma pesquisa conduzida por uma iniciativa independente, a Agência de Suporte para Empreendedores e Pequenos Empresários, identificaram que 92% dos que responderam acreditam que a telefonia móvel e os serviços de internet tiveram um papel fundamental no desenvolvimento da região. 53% dos que responderam, acreditam que os serviços da telefonia contribuíram para a criação de empresas e empregos. A primeira torre de estação base de rádio foi instalada em 2009, na comunidade de Belterra, Pará, Brasil. Como planejado, a estação base proporcionou, inicialmente a 20.000 pessoas, voz 3G e pacotes de dados em uma área que anteriormente não tinha conexão móvel. Isto em si foi uma marcante façanha, porém os técnicos notaram que alguma coisa inesperada tinha acontecido: o Rio Tapajós estava funcionando como espelho, ampliando o alcance do sinal 3G. Isto possibilitou que o Barco Hospital Abaré,  que navega ao longo do rio, estivesse conectado a banda larga em 2010.

A expansão para Suruacá, na outra margem do Rio Tapajós foi única no desenvolvimento em si, o qual foi dificultado pela densa vegetação, falta de infraestrutura e tempo imprevisível. Não existia nenhuma fonte de energia na comunidade. Então a Ericsson construiu um inovador sistema híbrido (solar e vento), o qual possibilitou uma de comunicação totalmente funcional nesta parte da Amazônia.

Durante os 4 anos do projeto, uma parceria público-privada apoiou a criação de uma série de iniciativas melhorando as condições para as pessoas nas comunidades locais. Por exemplo, o Projeto Saúde & Alegria juntamente com a Prefeitura de Santarém, utiliza o Abaré, um grande barco hospital, para fornecer serviços assistenciais de saúde para os habitantes de mais de 70 comunidades ao longo do Rio Tapajós. A Telefônica / Vivo instalou uma antena no barco, garantindo que o sinal 3G, que estava sendo ampliando naturalmente  pelo rio, pudesse ser enviado ainda mais longe. Como resultado, qualquer um que estiver a bordo do Abaré, agora tem acesso a uma confiável conexão banda larga móvel. Os médicos à bordo do Abaré podem consultar com seus parceiros ao redor do mundo e enviar raio X e outras imagens para diagnósticos especializados.

Como resultado, milhares de pessoas que vivem na Amazônia agora se beneficiam  de cuidados médicos de alta qualidade. Além disso, com a conexão banda larga, o projeto contribui para oferecer às comunidades do Rio Tapajós, programas de treinamento educativo com o apoio de Universidades Locais.O Projeto Conexão Amazônica também apóia diretamente as ações da Rede Mocoronga de Comunicação Popular que realiza oficinas para a criação de arranjos educativos locais em que jovens das comunidades produzem conteúdos de cultura digital, como vídeos com celulares que trazem para a Internet, a realidade e o encanto da vida rural ribeirinha. Os vídeos estão disponíveis no Canal do Youtube do Projeto Saúde & Alegria: www.youtube.com/saudeealegria. Em 2011, a conectividade foi expandia para a comunidade de Suruacá, e foi iniciado o  Connect To Learn, um  programa da Ericsson que trás educação nas nuvens para escolas de Ensino Fundamental.

Françoise Trapenard, presidente da Fundação Telefônica, disse: “A região, que até a chegada do sinal da Vivo, viveu os desafios do isolamento imposto pela geografia da região Amazônica, é agora um lugar de pessoas conectadas. A motivação original deste projeto teve um foco na educação e na saúde com o objetivo de promover, através de novas tecnologias de informação, oportunidades de aprendizagem para os jovens ribeirinhos e simplificar as atividades de cuidado médico para a população atendida pelo barco Abaré.”

Cae­tano Scan­na­vino, coor­de­na­dor e fun­da­dor do Pro­je­to Saúde e Ale­gria, disse: “Muitos pensam que a Amazônia é só uma flo­res­ta, com ár­vo­res e rios, sem gente. Mas vivem nela mais de 25 milhões de pes­soas. Meu sonho é que todas as co­mu­ni­da­des da Amazônia pos­sam estar co­nec­ta­das, por­que o mundo de­ve­ria con­he­cer a beleza, a ha­bi­li­da­de e  a sabedoria des­sas pessoas. Se fossem mais ouvidos, com certeza teríamos um mundo melhor”

Conexão Amazônia

Elaine Weidman-Grunewald, chefe de Sustentabilidade e Responsabilidade Corporativa da Ericsson, disse: “ É uma honra que a GSMA tenha reconhecido nossos esforços, mais estamos ainda mais horados por termos feito parte de algo tão poderoso como o ‘Conexão Amazônia’. Isso é  exatamente o que tecnologia para o bem significa.”

Maiores informações:

Paulo Lima – Coordenador de Inclusão Digital
Projeto Saúde & Alegria
93 3067 8000 / 93 9149 4801

* Tradução: Cibele Gomide. Texto original:
http://www.ericsson.com/br/news/1681229