PSA contrata gestor de formação para o empreendedorismo

24 de abril de 2018 por Fábio Pena

O Projeto Saúde & Alegria  – PSA – é uma instituição civil sem fins lucrativos que atua em comunidades tradicionais da Amazônia desenvolvendo programas integrados na área de organização social, saúde, saneamento básico, direitos humanos, meio ambiente, geração de renda, educação, cultura e inclusão digital, visando melhorar a qualidade de vida e o exercício da cidadania.

O presente termo de referência diz respeito à contratação de um profissional para atuar em nossas ações de apoio e formação (especialmente de jovens) ao empreendedorismo que visam ampliar as oportunidades produtivas e de geração de renda das comunidades onde atuamos.

Alguns requisitos básicos:

– Formação superior completa;

– Experiências com gestão de formação em empreendedorismo, mentoria e incubação de iniciativas de negócios sociais e startups;

– Experiência com programas e projetos voltados ao empreendedorismo e geração de renda;

– Experiência com projetos de educação para o trabalho e juventude;

– Atuação em projetos e negócios envolvendo novas tecnologias e cadeias produtivas com produtos da sociobiodiversidade;

– Experiência em assistência técnica para negócios em comunidades tradicionais;

– Competências na elaboração de planos de negócios para pequenos e médios empreendimentos;

– Conhecimentos em gestão, administração, finanças

Algumas das atividades a desenvolver:

– Coordenar a preparação de conteúdos específicos no campo da gestão administrativa e nas tendências das ações empreendedoras;

– Apoiar a seleção de colaboradores, tutores e professores para o processo formativo;

–  Apoiar a criação, elaboração e realização dos festivais de empreendedorismo na Reserva Extrativista Tapajós – Arapiuns e na cidade de Santarém;

– Planejar e atuar juntamente com a equipe nos módulos de formação empreendedora para os participantes do Curso de Empreendedorismo;

– Coordenar e incentivar a prática de estudos que contribuam para a apropriação de conhecimentos da equipe realizadora no campo do empreendedorismo e das tecnologias;

– Apoiar a elaboração de planos de negócios das iniciativas de beneficiários e do Projeto Saúde & Alegria nas diversas cadeias produtivas das áreas de atuação da organização, especialmente na área de produtos da sociobiodiversidade;

– Orientar o trabalho de tutores, professores e colaboradores na elaboração, na execução e na avaliação do proposta pedagógica;

– Acompanhar e avaliar os resultados do rendimento dos alunos em conjunto com a equipe realizadora;

Condições:

– Salário compatível com a função;

– Regime de contratação CLT conforme legislação vigente

– Carga horária 44 horas semanais

– Contrato de experiência por 90 (noventa) dias.

 

Inscrições:

Os interessados devem enviar:

1) Curriculum Vitae e Carta de apresentação;

2) Contato de pelo menos um profissional que possam fornecer referências sobre o candidato é recomendável.

3) A documentação solicitada deverá ser enviada para o email:  psa@saudeealegria.org.br

indicando no assunto da mensagem “Vaga Empreendedorismo”;

4) Prazo: até 15 de maio 2018.

Baixar o termo de referência completo:

termo_de_referência_empreendedorismo (2)

A comunicação comunitária no cenário atual

6 de março de 2018 por Elis Lucien

Compreender a palavra no seu sentido original a comunicação foi o ponta pé inicial que reuniu um representativo grupo de comunicadores e comunicadoras comunitárias a entender e contextualizar a várias formas de fazer e levar comunicação. Esta palavra tão discutida vem do latim communicationem, significa “a ação de tornar comum”, sua raiz vem da palavra comum, communis, que significa “pertencente a todos ou a muitos”. Então, a Criar Brasil convidou os coletivos espalhados pelo Brasil à trazer um pouco de suas experiencias e expertises num contexto colaborativo e participativo.

O Encontro sobre Direitos e Segurança de Comunicador@s Populares, Livres e Comunitári@s” contou com representantes do Repórteres sem Fronteiras; Rede Mocoronga – Projeto Saúde e Alegria; Intervozes; Artigo 19;  Witness / Rádio Mutirão; Vedetas.org e Museu de Memes – coLab/UFF com a cooperação da UNESCO/IPDC  e parceiros.

Aconteceu no dia 28 de Fevereiro à 02 de Março no Sindicato dos Jornalistas do Rio de Janeiro.  Os participantes falaram de suas experiências comunitárias; os impactos da comunicação vivenciadas entre o comunicador e os ouvintes e o acesso a informação num contexto político social. A proposta do Encontro foi a construção um manual prático com dicas e orientações embasadas nessas falas e subsidiadas em Leis. A criação do Guia de Direitos e Segurança de Comunicador@s Populares, Livres e Comunitári@s terá a proposta que todos os comunicadores e comunicadoras tenham em mãos subsídios para continuar a levar a comunicação comunitária com autonomia em seus Territórios.

 

Poró Borari é preso em Santarém (PA) enquanto protestava por melhorias na saúde indígena

9 de agosto de 2016 por Fábio Pena

Povos indígenas, movimentos sociais, organizações, inclusive a FASE, exigem a libertação de Poró Borari, indígena preso durante ocupação da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) em Santarém, no Pará


Fonte: Ong Fase

O indígena Poró Borari acaba de ser preso pela Polícia Federal, em Santarém, no Pará. A prisão acontece justo no Dia Internacional dos Povos Indígenas, 9 de agosto. Poró estava junto a outras lideranças de diversos povos indígenas da região do Baixo Tapajós ocupando a sede Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai). O grupo reivindica melhorias nos atendimentos de saúde. Poró foi levado sob a acusação de ter praticado crime de cárcere privado contra os funcionários do órgão.

9 de Agosto - Dia Internacional dos Povos Indígenas

Segundo os manifestantes, até o momento a Sesai não efetivou o cadastro dos indígenas junto ao Sistema Único de Saúde (SUS), o que tem dificultado o acesso a esse direito. A ocupação teve início na manhã dessa terça-feira (9).  Na manifestação, cada povo levou suas pautas específicas, mas os problemas relacionados à saúde estão presentes  em  todos os territórios. Participam da ocupação 13 etnias, dentre elas: Munduruku, Cara Preta, Apiaká, Arapiuns, Borari e Tapajós. “É preciso apoiar o Poró e exigir sua libertação. Quem comete crime são os governos, que deixam os povos indígenas largados a própria sorte. A eles são negados direitos essenciais à dignidade humana, mesmo que esses estejam garantidos na Constituição Federal”, afirma Sara Pereira, do programa da FASE na Amazônia, que acompanha a luta indígena na região ao lado de outras organizações e movimentos sociais.

A luta de Poró Borari

Poró Borari é uma liderança que luta pela demarcação da Terra Indígena Maró. O conflito na sua região aumentou após a Justiça Federal em Santarém ter declarado, em 2014, que o local é formado por ribeirinhos, e não por indígenas. O juiz ordenou que a União e a Fundação Nacional do Índio (Funai) se abstivessem de adotar procedimentos para demarcar o território tradicional. Essa decisão contrariou um relatório produzido pela própria Funai, que identificou e delimitou uma área de 42 mil hectares, sob o fundamento de que ali vivem indígenas das etnias Arapium e Borari.

Crianças dos povos Arapium e Borari (Foto: Palestina Israel)
Crianças dos povos Arapium e Borari (Foto: Palestina Israel)

A resistência indígena no território ganhou mais força por meio da campanha “Somos Terra Indígena Maró”. Com apoio de movimentos sociais, organizações e outros povos tradicionais, foi possível reverter a situação e a sentença que dizia não existir indígenas no local foi anulada no início desse ano. Mas a mobilização em defesa do território, onde estão cerca de 250 famílias indígenas, continua. Os Arapium e Borari querem que a terra seja demarcada também como uma maneira de superarem diversos problemas, inclusive de acesso à saúde indígena.

Projeto Saúde e Alegria é reconhecido pelo MEC como organização inovadora e criativa

23 de dezembro de 2015 por Fábio Pena

12373256_954216527959495_4429231851440187792_nO Projeto Saúde e Alegria (CEAPS) é uma das 178 instituições educacionais brasileiras, entre organizações não governamentais, escolas públicas e particulares, que foram reconhecidas ontem (22/12) pelo Ministério da Educação como exemplos de inovação e criatividade na educação básica. Interessado em identificar e conhecer iniciativas inovadoras para saber em que medida elas podem contribuir para a melhoria da qualidade da educação brasileira, o Ministério da Educação lançou chamada pública em setembro passado, à qual se apresentaram 682 entidades.

Depois de criteriosa avaliação, a seleção foi realizada. Constam da lista 138 instituições que já trilham um longo caminho na prática da inovação e 40 organizações que estão caminhando na direção da inovação com vistas a garantir qualidade à educação oferecida. O Ministério vai acompanhar o desenvolvimento de todas.

As organizações selecionadas traçam o perfil da inovação na educação do país. Elas estão presentes nas cinco regiões brasileiras e sua distribuição corresponde à da população: mais da metade (50,8%) estão na Região Sudeste, seguida da Região Nordeste (21,9%), Sul (13,7%), Centro-Oeste (8,7%) e Norte (7,6%).

A maioria dos inscritos foram escolas, tendência que se repetiu entre as selecionadas: 74,3% são escolas e as demais 25,7% são organizações educativas que atuam na formação de crianças, adolescentes e jovens, algumas com foco específico em cultura, comunicação, tecnologias digitais ou educação ambiental. Entre elas, 52,5% são públicas e 47,5% são particulares.

A inovação atinge todos os níveis de ensino da educação básica: 83 instituições desenvolvem propostas com crianças da educação infantil, 135 trabalham com alunos do ensino fundamental, 73 estão voltadas aos adolescentes do ensino médio e 40 atuam na educação de jovens e adultos. Ressalte-se que, no ensino médio, há inovação tanto na modalidade regular quanto no ensino técnico.

Tanto as cidades quanto as zonas rurais mostraram-se propícias à inovação, havendo organizações que criam cotidianamente novos caminhos para garantir a qualidade da educação nas cinco regiões do país. Não ficaram de fora as escolas indígenas, que também demonstraram ampla capacidade de criar o novo.

O Mapa da Inovação e Criatividade na Educação Básica mostra, portanto, que é possível – e que já está acontecendo – a transformação das escolas e dos ambientes educativos em todas as regiões, nos diferentes contextos socioeconômicos e com os mais diversos públicos.

Clique aqui para conhecer as 178 instituições educacionais inovadoras e criativas.

http://simec.mec.gov.br/educriativa/mapa_questionario.php

III Encontro TIPITI de chamada de apoio às inciativas juvenis comunitárias

26 de novembro de 2015 por Gabriel Abreu

ArPy9e-4gRGXKjAoGUwSLe91RDnnzMLl5I75HEOj-Z3- Hoje dia 26/11 na sede do Projeto Saúde e Alegria o III Encontro TIPITI, o encontro esta reunindo jovens que se preocupam com os problemas comunitários. Que entendem que seus desafios pessoais são também compartilhados por outros jovens na comunidade.

O encontro TIPITI é uma chamada de apoio às inciativas juvenis comunitárias, publicada pelo Projeto Saúde e Alegria no 2º semestre de 2015, a chamada tem o intuito de fazer a seleção final dos grupos inscritos e de orientá-los dentro de suas respectivas propostas.

O objetivo do encontro é também é fazer intercambio entre os projetos das comunidades vizinhas. A equipe de educomunicação do Projeto Saúde e Alegria estará auxiliando todos os projetos no decorrer do encontro afim de criar uma metodologia de execução nas comunidades.

No encontro então presentes jovens das comunidades da RESEX Tapajós/Arapiuns, que vieram com intuito de defender suas propostas. 

As comunidades e seus projetos:
1- VILA FRANCA Vila Franca e sua Cultura Viva
2- NOVA VISTA Nova Vista em Ação Grupo Renascer –
3- ENSEADA DO AMORIM- Cameleão no ar
4- MENTAE – Resgarte: Resgatando a cultura e a arte do Arapiuns
5- ALDEIA SOLIMÕES Cine Comunitário Grupo de Jovens –
6- JAUARITUBA Comunicação através de Rádio Comunitária
7- CURI – RIO ARAPIUNS Bola Cheia Grupo de Jovens
8- MAPIRIZINHO Meio Ambiente, Coleta Seletiva do Lixo
9- PEDRA BRANCA-Dançando Pra Vida Grupo de Jovens
10- TUCUMATUBA Plantando Vida com Cidadania

11- SURUCUÁ – Descobrindo Talentos

12- SÃO PEDRO – Semeando para o futuro

13- CARÃO – Resflorestar é viver

O encontro segue até o dia 27 de novembro.

Por: Walter Oliveira

V módulo do Curso Jovens Empreendedores do Tapajós

5 de novembro de 2015 por Gabriel Abreu

Esta sendo realizado hoje dia 05 (quinta-feira) e amanhã dia 06 (sexta-feira) o V módulo do Curso Jovens Empreendedores do Tapajós, promovido pelo PSA (Projeto Saúde e Alegria) em parceria com a Fundação Telefonica e têm como Público alvo jovens oriundos de Comunidades Ribeirinhas .
O módulo facilitado pelos Mentores Caroline Pilletti e Dirlan Castro, tem como tema Desenvolvimento de Solução, que visa empoderar com ensinamento de gestão e MPV (no português Produto Minimamente Viável), uma ideia de elementos e métricas da primeira versão de seus produtos, incentivando-os a criarem uma solução que entregue aos clientes um valor de acordo com cada ideia de negócio desenvolvida no decorrer do curso.

12088245_771491396330630_219657267355326354_n

por: Bruno Vasconcelos

Por dentro do que aconteceu no III Chamado da Floresta

30 de outubro de 2015 por Gabriel Abreu

12118667_10203512075720805_1548607157877595800096_nNos dias 28 e 29 de Outubro as delegações de varias parte do Brasil estavam chegando ao porto da comunidade de São Pedro, na Resex Tapajós-Arapiuns, para o #‎ChamadodaFloresta‬. O evento reuniu cerca de 3 mil pessoas, principalmente populações extrativistas da Amazônia e de outros estados do país. Na pauta estavam demandas a serem apresentadas ao governo federal ligadas às políticas de reforma agrária, produção e geração de renda, infraestrrutura, saúde, educação e serviços ambientais para as comunidades extrativistas.

Uma das convidas do evento Edel Moraes (vice-presidente do Conselho Nacional das Populações Extrativistas) explica os objetivos do III Encontro Chamado da Floresta em São Pedro, na Resex Tapajos-Arapiuns #‎ChamadodaFloresta‬

Enquanto aconteciam os grupos de debates para definir as pautas de reivindicações, um grupo do movimento indígena do baixo Tapajós e Arapiuns, protestavam por uma maior abertura para a pauta indígena no evento. Além disso, os indígenas, bem como outras lideranças extrativistas presentes, deram eco ao posicionamento contrário ao projeto do governo federal de construção de hidroelétricas do Tapajós, e projetos de crédito de carbono nas reservas extrativistas. Segundo Caetano Scannavino (Coordenado Geral do Projeto Saúde & Alegria) o protesto é super valido: “legítima a manifestação do Movimento Indígena do Baixo Tapajós e Arapiuns, que esquentou a agenda morna no diálogo com o Governo, reforçando a indignação em tempos de tantos retrocessos, PEC215, hidrelétricas, etc.” (Fonte Facebook)

Foto Facebook Caetano Scannavino

Foto Facebook Caetano Scannavino

12144885_10153712826324855_2588946977712975883_n

Foto Facebook Caetano Scanavino

Fotos Facebook Fabio Pena

Fotos Facebook Fabio Pena

A @RedeMocoronga de Comunicação Popular fez a cobertura da terceira #‎Chamadodafloresta na comunidade de São Pedro, tudo isso e muito mais você poderá ouvir no programa ao vivo da Radio Mocoronga que irá ao ar sábado as 10 horas da manha na Radio Rural AM (http://www.radioruraldesantarem.com.br/)

Foto Facebook Wos Oliveira

Foto Facebook Wos Oliveira

Começou o III Chamado da Floresta na Resex Tapajós Arapiuns

28 de outubro de 2015 por Gabriel Abreu

Começando agora o III Chamado da Floresta, evento organizado pelo Conselho Nacional das Populações Extrativistas na Comunidade de São Pedro, na Reserva Extrativista Tapajós Arapiuns. Cerca de três mil participantes debatendo os temas centrais para o desenvolvimento das atividades extrativistas em unidades de conservação. Quatro grupos de trabalho se reunirão para traçar estratégias de incidência política nas mesas de negociação com o Governo Federal no dia de amanhã.
#‎
chamadodafloresta‬

12096536_10153738183099292_8464243357885017015_n

Produção de vinhetas e radionovelas educativas da 15ª Teia Cabocla

20 de outubro de 2015 por Lilian Campelo

Durante o encontro que ocorreu na 15ª Teia Cabocla várias oficinas foram realizadas com os jovens participantes, dentre elas a de rádio.
Divididos por temas, comunicação, cultura, esporte, saúde e educação, os jovens, a partir da sua realidade local, escreveram histórias para compor as radionovelas e chamadas para as vinhetas com base nos direitos constitucionais regidos pelo Estatuto da Juventude. 
Após o processo de criação o resultado são esses áudios criativos, leves, divertidos e educativos feitos por eles, meninos e meninas das comunidades ribeirinhas da Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns e Floresta Nacional do Tapajós.

III CHAMADO DA FLORESTA na Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns/Santarém

6 de outubro de 2015 por Lilian Campelo

iiichamadodafloresta

As populações extrativistas brasileiras que, por dependerem dos recursos naturais para manter seus modos de vida, prestam ao país um serviço inestimável: protegem os ecossistemas e a biodiversidade, contribuem com o equilíbrio climático e promovem novas bases de governanças para o desenvolvimento sustentável do país.

Vivem hoje em 106 Reservas Extrativistas e Reservas de Desenvolvimento Sustentável nas florestas da Amazônia, da Mata Atlântica, no Cerrado, na Caatinga e nas Zonas costeiras e Marinha, protegendo mais de 25 milhões de hectares, que representam cerca de 6% do território brasileiro, com uma estimativa populacional de três milhões de famílias. São populações que nasceram e cresceram em florestas, lagos, beiras de rios, manguezais, campos e praias e que aprenderam com seus antepassados como usar estes recursos sem degradar e sem desmatar, muito antes da proteção ao meio ambiente se tornar uma preocupação da sociedade.

Apesar dos avanços nas ultimas décadas, ainda existe grandes dificuldade de evidenciar suas especificidades aos formuladores de políticas públicas. Assim, o movimento social dessas populações adotou a estratégia de convidar governos para dentro das comunidades, invertendo a lógica de ir para Brasília para pautar suas demandas por políticas para estes territórios – 0 CHAMADO DA FLORESTA.

Foram organizados dois Chamados da Floresta (2011 e 2013) para apresentar proposta de desenvolvimento ao governo.

Temas centrais da plataforma de diálogo com governos são organizados em quatro eixos estruturantes da realidade desses territórios:

  • conquista e regularização dos territórios;
  • políticas econômicas para o desenvolvimento;
  • programas sociais para a qualidade de vida, e
  • gestão participativa dos recursos naturais e dos territórios.

O III CHAMADO DA FLORESTA será realizado este ano nos dias 28 e 29 de outubro dentro da Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns, no município de Santarém, Estado do Pará.

Participe!!

Texto enviado pelo Conselho Nacional das Populações Tradicionais – CNS