Campo do conhecimento

2 de agosto de 2013 por Elis Lucien

Desenho retirado do jornal Aminã Hoje, 5ª ed.

A escola São Jorge da Aldeia do Aminã continua em atividade. Os funcionarios da escola e do projeto Mais Educação estão sempre juntos para execução de trabalhos à exemplo o  Canteiro Sustentável que há pimentões amarelos, verdes e tomate todos já em ponto de colheita e serem apreciados na merenda escolar.

Enquanto que o campo do conhecimento e arte literatura os alunos estão animados. pois conseguem ver a natureza de perto através dos binóculos, microscópios e realizam várias atividades de acordo com os materiais propostos. Já no esporte e lazer o futsal e os alunos estão e vão com tudo. Brincam e ficam animados e assim participam de todas as modalidades.

Origem de Amorim

31 de janeiro de 2013 por Bob Barbosa

clique sobre a imagem acima e assista ao curta

A Comunidade de Vila de Amorim, estimulada pela equipe de Educomunicação do Projeto Saúde e Alegria, botou a mão na massa. Ou melhor dizendo, botou a mão numa câmera! Não uma câmera profissional, mas uma simples câmera fotográfica digital, aproveitada na gravação de um vídeo de ficção.

Primeiro os jovens da comunidade procuraram Luciano Reis Lopes, antigo morador de Amorim, para ouvir dele uma curiosa história sobre a origem no nome “Amorim”. Essa história é contada de geração para geração e mistura lendas da Amazônia, ops… dizem que não é lenda, é a pura verdade, mas será que lenda e verdade não se misturam nas histórias? Hum…

Depois que o Seu Luciano contou sua versão da história, os jovens distribuíram os personagens entre as crianças, adolescentes e adultos da comunidade. Hebe Lopes e Bruno Manoel se dividiram na operação da pequena câmera e enquanto eram gravadas as cenas, Jane Milena fazia a função de narradora oculta. Ao mesmo tempo os três conduziam a atuação do elenco.

Depois Hebe, que é professora e moradora (desde que nasceu) da Vila de Amorim, avisou o Projeto Saúde e Alegria que as filmagens estavam concluídas e portanto a comunidade precisava de auxílio para editar o vídeo.

Para ajudar na edição e pensando no intercâmbio entre comunidades, a equipe do Saúde e Alegria convidou Joares Miranda da Vila de Boim, que já fora capacitado em uma Oficina de Vídeo Celular. Assim, durante o XII Encontro de Lideranças Juvenis da Teia Cabocla, Joares ministrou uma Oficina de Edição usando como exemplo o vídeo da Vila de Amorim, e com o auxílio de Hebe, que tinha em mente a sequência, a ordem das cenas gravadas.

Por estarem em uma Oficina de Edição da Teia Cabocla, vários jovens de outras comunidades também acompanharam o trabalho de montagem das cenas. No mesmo dia, o vídeo estava pronto para a competição na Teia. Ficou em terceiro, entre uma dúzia de trabalhos de outras comunidades.

E como os três primeiros colocados na Competição de Vídeo teriam o privilégio de serem divulgados na Rede Mocoronga, a Hebe e o Joares retornaram ao Projeto Saúde e Alegria para dar um melhor acabamento ao “Origem de Amorim”. Junto comigo, Bob Barbosa, eles “enxugaram” o vídeo, tirando ou diminuindo o tempo das cenas desnecessárias ou longas demais.

Se na Teia foi exibido com nove minutos, o vídeo está agora com pouco menos de seis minutos. Os volumes de áudio foram nivelados. Os créditos, com todos os nomes da equipe de produção, inseridos.

O apoio do Saúde e Alegria à produção de vídeos celulares nas comunidades ribeirinhas, principalmente na Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns, onde está Vila de Amorim, acontece graças a uma parceria com a Vivo e a Fundação Telefônica. Parceria que vem possibilitando a criação e a produção de uma autêntica cultura digital vinculada aos valores tradicionais das populações ribeirinhas da Amazônia.

História da comunidade de Urucureá

8 de dezembro de 2012 por Álvaro Rodrigues Tapajós

urucurm

PALMEIRA QUE É RETIRADO A GUIA PARA FAZER ARTESANATO     

Para fazer o retrato da nossa comunidade e mostrar a História de Urucureá entrevistamos dois moradores mais antigos da nossa comunidade que foram:  Alvina Ferreira de 88 anos e o professor Valdemar de 55 anos de idade e juntando as entrevistas conseguirmos chegar ao historico da comunidade que dis assim:

HISTÓRICO DA COMUNIDADE DE URUCUREÁ

Ocupação Indígena

Em meados do século XIX, habitava em uma área da atual comunidade, uma tribo indígena denominado Patachós que trabalhava plantação e colheita de urucum, de milho e mandiocas. Alimentavam-se da própria agricultura, da caça e da pesca que praticavam nos rios Arapiuns e no rio Amazonas, tendo como ponto de referencia no Arapiuns uma cabeceira onde havia um igapó, lugar adequado para abrigar botes, caniços arcos e flechas. No rio Amazonas, o ponto referencial fora a enseada que os índios deram o nome de “Patacho” que também servira de abrigo para os apetrechos da pesca e da caça.

Após várias décadas residindo nesse lugar os indígenas abandonaram a área de trabalho e emigraram para outras regiões em busca de algo melhor por exemplo: terra abundantes e férteis que oferecessem boas colheitas. A habitação dos nativos foram comprovadas através da observação de pessoas que chegaram mais tarde a comunidade com intuito de fixar residencias. Os novos habitantes encontraram vestígios de muitos artefatos fabricados pelos retirantes nativos, a essa área habitada pelos índios, os novos residentes deram o nome da terra preta por ser terra fértil e própria para a agricultura. Vale salientar que a nova habitação ocorreu aproximadamente nas últimas décadas do século XIX.

História de ocupação

As primeiras famílias a chegarem à comunidade foram: da senhora Ami, Maria, Aninha, Delu, Didi, Oliveira e José Francisco Nordestino. Com o passar dos tempos as famílias observaram que existiam coisas admiráveis por exemplo: um grande igapó com grande diversidade de peixes, pássaros, mamíferos e insetos.

Origem do nome

Entre essas espécies havia um tipo de pássaro que os habitantes chamaram “Urucureá”, por serem de porte avantajados e seu canto muito forte que parecia um coral sinfônico, bem organizado. Era uma espécie de Coruja. A partir de então, o nome da comunidade passou a se chamar “URUCUREÁ” baseando se nessa origem, foi que o cantor e compositor da comunidade, Antônio Ferreira Rodrigues desenvolver com muita propriedade em uma de suas músicas sobre a célebre história de URUCUREÁ assim:

“Será de coruja ?

Ou de urucum. Seilá !

Eu só sei que o nome do meu paraíso é Urucureá”

dessa forma foi possível compreender que com a contribuição dos indígenas, as primeiras famílias e as demais tornou-se viável resgatar o memorial de nossa comunidade.

Boinense tapajoara completa 100 anos de idade

17 de novembro de 2011 por Cleia Rodrigues

Boim alegra-se em comemorar o primeiro centenário de sua moradora mais idosa a senhora  MARTINHA ISABEL BATISTA.

Dona Martinha, como é comumente conhecida, nasceu na Vila Franca, rio arapiuns, aos dias 12 de novembro de 1911. Casou-se aos 18 anos de idade, com Antônio Régis Batista, onde teve seus 13 filhos. Em 1933 ela passou a morar na Colônia Mentai- tapajós, onde pôde construir  sua familia.

Nos anos 70, passou a residir efetivamente na Vila de Boim onde permanece até os dias de hoje.

Martinha Isabel, ao longo de sua vida herdou de seus 13 filhos uma gigantesca família, com: 06 noras, 06 genros, 100 netos, 186 bisnetos e 87 tataranetos. Hoje, viúva desde  23 de abril de 1973, ja bem cansada, luta para viver mais alguns anos. Seus familiares, amigos, admiradores e curiosos comemorarão essa passagem histórica no dia 26 de novembro com muita churrascada e a presença de toda a familia reunidada.

” reunir a família toda é sempre um desafio e uma benção a ser alcançada. ” relatou Ruth Batista, uma de suas netas.

Todos os boinenses participarão desse momento único e especial!

Seminário Tapajós Sustentável marca diferencial na campanha pelo Estado do Tapajós

13 de setembro de 2011 por Fábio Pena

Ampliar o debate e engajar lideranças na campanha pela criação do Estado do Tapajós, a partir da participação popular, é um dos principais objetivos do Seminário Tapajós Sustentável que começou hoje pela manhã, 13/09 e segue até amanhã, no Iate Clube de Santarém.

O evento é promovido pela Articulação Popular Pró Estado do Tapajós – APPT que reúne diversas organizações e movimentos sociais da região Oeste do Pará,  como Sindicatos de Trabalhadores Rurais, Associações de Mulheres, Federação de Associações de Bairros, Comunidades Indígenas e Quilombolas e Organizações Não-Governamentais.

Cerca de 250 lideranças populares vindas de municípios como Prainha, Uruará, Óbidos, Curuá, Almerim, Belterra, Juruti, Oriximiná, Monte Alegre, Terra Santa, Novo progresso, Trairão, Alenquer, Aveiro, Faro, além de Santarém, estão participando.

Após uma animada dinâmica de boas vindas feita pelo educador Magnólio de Oliveira do Projeto Saúde e Alegria, o evento começou com uma apresentação dos objetivos da APPT. João Ribeiro, do CEFTBAM, disse que o propósito da articulação e do seminário, é fazer a discussão sobre a criação do Estado do Tapajós com os principais interessados, a população que vive a conhece a realidade de seus municípios. Sara Pereira, da FANCOS, completou: “queremos mostrar que nosso SIM ao Estado do Tapajós vem junto com uma responsabilidade de construirmos um estado sustentável, e não que repita o velho modelo, mas que busque, inclusive, romper com a lógica de boa parte da classe política atual que também é responsável pelas péssimas condições sociais que temos hoje”.

A participação do jornalista e Professor da UFPA, Manuel Dutra, veio em seguida para contribuir ao debate, acrescentando elementos sócio-históricos que embasam sua defesa pelo SIM ao novo Estado. Entre outras questões, Dutra explicou o sentido cultural do ser do Tapajós. “É mentira quem tenta dizer que essa luta é de hoje. Nossos avós, pais, filhos, antigas e atuais gerações já nasceram ouvindo falar do sonho do Tapajós. É um desejo que vem desde a época da Província do Grão Pará, acompanhou a criação da Província e depois Estado do Amazonas. Passou por diversos momentos, altos e baixos, mas hoje tem finalmente um momento decisivo, com a realização do plebiscito”. Autor do livro O Pará Dividido, de 1999, o professor santareno que hoje vive em Belém, não tem dúvidas do sentido histórico do desejo de emancipação do povo do Oeste, havendo também os interesses políticos ao longo do tempo. Porém, Dutra rebate quem critica o movimento como de oportunistas. “Se oportunistas há, e com certeza há, onde não os há? Na Assembléia Legislativa do Pará? No Congresso da República? Melhor que os não houvesse em parte alguma…” escreveu em um de seus artigos em seu blog pessoal. “Nós queremos a criação do Estado do Tapajós porque ele já existe. Só precisa ser oficializado”, concluiu em entrevista à nossa reportagem.

Uma mesa com debatedores representando os diversos movimentos presentes, apontou aquilo que os organizadores do evento chamaram de “o pingo do i” do SIM do Tapajós. Em sua maioria reforçaram que o novo Estado terá o desafio maior para se preocupar com a defesa de seu patrimônio ambiental, a luta contra o desmatamento, contra a corrupção, por políticas públicas mais acessíveis e próximas das reais necessidades da população, e com a oportunidade de construir uma constituição moderna. A Frase do representante da União dos Estudantes de Santarém – UES, resumiu bem o pensamento da maioria: “nosso Sim, não é o sim à madeira clandestina, ao modelo econômico devastador, é um sim à nova forma de pensar a Amazônia”.

Na tarde de hoje, em cinco grupos, os participantes vão discutir temas que apontam para “O Estado do Tapajós que desejam”: Governança e o Estado do Tapajós, ordenamento e regularização fundiária, Inclusão Social e diversidade cultural, Economia rural e Desenvolvimento urbano. As discussões vão resultar em um documento base que vai ajudar na disseminação da campanha do SIM do ponto de vista dos movimentos sociais.

Articulação Popular realizará seminário TAPAJÓS SUSTENTÁVEL

10 de setembro de 2011 por Fábio Pena

Frente ao processo político de consulta a população do Estado do Pará, através de Plebiscito para a criação do Estado do Tapajós e Carajás, as organizações do movimento popular do baixo Amazonas e oeste do Pará se organizam na Articulação Popular Pró Tapajós – APPT.

Esta articulação, composta por entidades da Sociedade civil e movimentos sociais, ao final identificadas, estará realizando nos dias 13 e 14 de Setembro de 2011, o Seminário “TAPAJÓS SUSTENTÁVEL”.

O Seminário tem por objetivo mobilizar os movimentos sociais e juntos construir um documento que norteie as ações para o novo Estado, com as características que queremos, manifestando o interesse pela sustentabilidade, responsabilidade, governabilidade e cidadania.

O Seminário se move pelo interesse em debater e divulgar o modelo de Estado que queremos e tem a responsabilidade de envolver, ouvir e garantir a participação da sociedade civil e da população de modo geral para legitimar e qualificar o debate.

Local: IATE CLUBEDE SANTARÉM

Data: 13 e 14 de Setembro

Inicio: 9:00 Horas

No dia 14 de setembro acontecerá a Festa Cultural Pró Tapajós, a partir das 17 às 20 horas na Praça do Pescador

SIM ao Novo Estados do Tapajós

Realização: Articulação Popular Pró Tapajós: CEFTBAM, GTA, CEAPAC, GDA, CITA, MOPEBAM, PROJETO SAÚDE & ALEGRIA, STTR Santarém, FETAGRI-Baixo Amazonas, FEAGLE, TAPAJOARA, FAMCOS, AOMTBAM

Laia a carta base divulgada pelo movimento:

SIM AO NOVO ESTADO DO TAPAJÓS

A criação do Estado do Tapajós sempre foi um ponto central da pauta de reorganização territorial e administrativa da imensidade amazônica. Um processo que já se desdobrou com a divisão do Estado de Mato Grosso, formando então o Mato Grosso do Sul (1977) e com a criação do Estado de Tocantins (1989).

Fruto da revolta de sua ocupação predatória, e com a “ausência do Estado” na região amazônica, a ideia do Estado do Tapajós é um projeto antigo, que tem percorrido toda a história da nossa região. Um projeto que agora volta para mais uma etapa: com o Plebiscito para a criação dos Estados do Tapajós e Carajás, quando pela primeira vez, o povo da nossa região será ouvido sobre a questão.

 

O Tapajós é parte integrante do bioma Amazônico, uma região que representa um terço das reservas de florestas tropicais úmidas do planeta, que possui o maior banco genético  e abriga um quinto de toda a disponibilidade mundial de água doce.

Uma região riquíssima e de tamanho continental, que abriga numerosos povos indígenas, comunidades tradicionais, além de municípios, metrópoles e estados. Uma variedade e uma peculiaridade que não se encontram em outras regiões do Brasil.

Uma região que apesar desse imenso potencial, continua sofrendo com a “ausência do Estado”, quando verificamos que o Gasto Social per capita na Amazônia, ainda corresponde a pouco mais de 60% do Gasto Social per capita no Brasil. Com a pobreza e a falta de desenvolvimento persistindo para a maioria da população.

Por isso, a presença do Estado, ainda que seja como agente regulador, torna-se imprescindível. Ainda mais no Pará, que mesmo detentor da maior economia da amazônia, é o Estado com os piores índices de desmatamento e de desenvolvimento humano da região norte. Mais uma vez, comprovando a “ingovernabilidade” do seu enorme território, o que torna imprescindível a necessidade de sua redivisão territorial, com a criação de duas novas unidades federativas (Tapajós e Carajás).

O TAPAJÓS QUE QUEREMOS

No Tapajós, o movimento de emancipação nasceu e cresceu sob três grandes pressupostos básicos: O isolamento geográfico; O abandono politico; e as vantagens econômicas da emancipação, elementos esses, que sempre fizeram parte da retórica emancipacionista de diferentes gerações.

Apesar da importância desses argumentos, a ideia de reorganização político territorial do Pará, sempre foi taxada de elitista, com poucos momentos destacando o protagonismo popular da região. Por isso, a popularização do projeto ainda não se consolidou, cabendo agora, ao movimento plebiscitário Pro Tapajós a grande missão de fazê-lo.

Se a “ausência do Estado” foi o motor do anseio popular para um novo Estado, precisamos agora do combustível que fortaleça a perspectiva de sua criação, acrescentando mais elementos ao nosso projeto politico.

Em primeiro lugar reafirmando a Identidade Comum de nossa população com seu território, que hoje representa um conjunto de 27 municípios, unidos pelo mesmo perfil, social, econômico e ambiental. Uma identidade social e cultural construída historicamente, que solidifica e unifica a região.

Em segundo lugar, prezando para a Sustentabilidade Socioambiental da grande região oeste do Pará, uma das últimas fronteiras verdes, com uma significativa população nativa, mestiça e oriunda dos processos de colonização da região.

Uma sustentabilidade associada aos valores humanos, capaz de trilhar um novo modelo de desenvolvimento; ambientalmente sustentável no uso dos recursos naturais, na preservação da biodiversidade; socialmente justo na distribuição das riquezas e na redução da pobreza e das desigualdades sociais; que preserve valores, tradições, e as práticas culturais regionais.

Um novo Estado, que deverá se basear nos princípios da democracia e da participação, acima dos interesses oligárquicos e de grupos políticos que historicamente vem dominando a politica e o poder no Pará. Um estado descentralizado, que não reproduza os vícios que tomaram o Pará e sua capital Belém o centro monopolizador dos recursos públicos. Um Estado que deverá ser a negação de todos os malefícios e práticas politicas que historicamente foram os percalços para que o Tapajós não se desenvolvesse e o povo não fosse feliz.

Queremos um Estado do povo para o povo, representativo de toda a população do Oeste do Pará, nas suas diversas formas de organização cultural e composição demográfica. Um Estado presente, atuante, indutor de políticas que promovam a justiça e a equidade, em oposição a ausência do Estado na região.

Um projeto de Estado com dimensões menores, com a responsabilidade de formar novas lideranças para administrá-lo, sem o qual não superaremos o jogo de dominação que persiste nas regiões do Brasil e da Amazônia em particular.

Enfim, temos o desafio de lutar por um Estado do Tapajós sedimentado em valores modernos de democracia e sustentabilidade social, ambiental, econômica e cultural, que prisma pela “sustentabilidade” e não por um “crescimento” a qualquer custo. Um projeto de reorganização territorial que sempre esteve no imaginário de toda a população do Oeste do Pará.

Santarém, 16 de Agosto de 2011

A Articulação Popular Pró Tapajós (APPT) é promovida pelas seguintes organizações e movimentos sociais:
CEAPAC – CEFTBAM – GDA – CITA – MOPEBAM – PROJETO SAÚDE & ALEGRIA – STTR Santarém – FETAGRI – FEAGLE – TAPAJOARA – FAMCOS

A APPT está aberta à adesão de entidades populares.

Padre Sidney Canto concluiu “Crônicas e Contos do Tapajós”

21 de agosto de 2011 por Paulo Lima

Padre Sidney Canto, no Rio Tapajós, 2008 (Foto Paulo Lima)

Padre Sidney Augusto Canto, da Diocese de Santarém, concluiu seu mais novo livro: Crônicas e Contos do Tapajós.

Durante pouco mais de cinco anos que o mesmo viveu e trabalhou pelo baixo Tapajós, ele acabou escutando ou fazendo parte de diversas histórias. Algumas delas verídicas, outras nem tanto… Depois destes anos trabalhando nas comunidades do interior do nosso rio Tapajós, ele foi incentivado a contar nesta obra algumas dessas histórias, escrevendo sobre a cultura e os costumes do povo das comunidades ribeirinhas.

Leia o resto desse post »

Lenda da Igreja

19 de janeiro de 2011 por Maickson Bhoim

Em 1895, auge da Revolta dos Cabanos, o povo boinense fugiu para a mata. Um certo homem religioso, todavia, tratou de esconder a imagem de Santo Inácio de Loyola. Embora pesada, escondeu-a  atrás de uma árvore de Sapupema e a cobriu com folhas de Piririma e Samambaia.

Após o fim da revolta, os moradores retornaram à Vila e deram pela falta do Santo. O homem, então, disse o local do esconderijo e os comunitários puderam levá-lo à Igreja.

Entretanto, noutro dia novamente o Santo havia sumido. Dessa vez, ninguém sabia onde encontrá-lo.

Resolveram procurar atrás da árvore e, para surpresa geral, lá estava ele. Levaram-no por três vezes à Igreja e em todas ele voltava para trás da Sapupema.

Uma senhora idosa, curandeira, consultou os astros e disse que o Santo queria uma Igreja nova. Começaram, portanto, a construção de um novo templo com a frente para o rio, como é de costume. Quando a construção estava quase finalizando, um forte temporal a destruiu completamente. Não desistiram. Voltaram aos trabalhos e novamente veio a baixo. Fizeram por três vezes e todas caíram. Novamente consultaram a curandeira, que garantiu que deveriam construir a igreja como tinham encontrado o santo, ou seja, de lado para o rio. Assim fizeram e a igreja está até hoje de pé, com algumas remodelações feitas em 1949 e em 2005.

Nasce uma terra abençoada!

6 de janeiro de 2011 por Maickson Bhoim

Artigo originalmente publicado no blog Blog da Vila de Boim em 2011-01-06 13:26:00

Há 320 anos , na aldeia dos Tupinambás, chegava uma caravana de “brancos” liderada pelo padre Antonio da Fonseca. Bem recebidos foram pelos selvagens, que dançavam, dando as boas vindas. Em seguida, devido a hospitalidade e também as belezas naturais, celebrou uma missa, dando-se assim a fundação da MISSÃO, que recebeu o nome de “Aldeia de Santo Inácio de Loyola”, em homenagem ao fundador da Companhia de Jesus.
Na aldeia moravam aproximadamente quatrocentos índios. Além das tradicionais ocas, havia um “Campo de Oração”, onde reuniam-se para prestar cultos e fazer preces ao seus deuses, representados por imagens de barro cozido, que ficavam em lugar de destaque, um altar coberto de palhas e folhas.
Os jesuítas, iniciaram portanto seu trabalho de catequese e cerca de um anos depois(1691) construíram uma capela com a primeira padroeira da aldeia, Nossa Senhora do Rosário, que era festejada no dia 31 de maio.
Os missionários procuraram ensinar aos silvícolas a escrita e a leitura. Deram-lhes aulas de catecismo da religião católica, conscientizando-os de que cada homem deveria conviver ou casar-se com apenas uma mulher. Só tempos depois, os jesuítas celebraram os primeiros batizados e casamentos, tornando-os cristãos.
(texto adaptado do livro “Boim e sua história” de Elísio Éden Cohen)

Escola Getúlio Vargas comemora o dia da Consciêcia Negra

25 de novembro de 2010 por Marcela Bentes

A Escola Getúlio Vargas da Vila Castanhal comemorou dia 19 de Novembro o dia da Consciência Negra. Os alunos participaram de varias apresentações juntamente com seus professores os principais idealizadores do projeto “Relações Étnicas Raciais”, que tinha como objetivo garantir a todos , respeito aos direitos legais e a valorização da identidade. Foi muito importante para a nossa Vila conhecer melhor os direitos que temos e respeitar os direitos de outros cidadãos, conhecendo um pouco da história da Raça Negra, seus costumes, a comida típica da região, como viviam, enfim a cultura em geral de uma sociedade que contribuiu muito com o desenvolvimento de nosso país.

Leia o resto desse post »