Projeto Ciência Cidadã para a Amazônia nas comunidades de Aracampina e Aldeia Solimões

24 de julho de 2018 por Elis Lucien

O Projeto Ciência Cidadã para a Amazônia irá implementar um local piloto para testar a abordagem de ciência cidadã, utilizando o aplicativo Ictio envolvendo escolas de comunidades tradicionais, integradas em um programa de educação ambiental ou de ciência, em que professores e alunos monitorem a diversidade de peixes catalogados nessa etapa pelos pescadores e pescadoras selecionadas.

O projeto será realizado de Maio a Dezembro nas Bacias do Tapajós e Amazonas em parceria com alunos, professores, pescadores e pescadoras das comunidades de: Aracampina que fica localizada no Projeto de Assentamento Ituqui (PAE-Ituqui), às margens do rio Amazonas, com seus 260 habitantes, com 16 lagos e 3 igarapés e a Aldeia Solimões localizada na margem esquerda do Rio Tapajós afluente do rio Amazonas, na Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns que é uma das maiores Unidades de Conservação no Brasil.

A Sociedade para a Pesquisa e Proteção do Meio Ambiente (SAPOPEMA), Projeto Saúde e Alegria (PSA) e outras Instituições convidadas durante seis meses irão incentivar o engajamento de jovens e moradores no monitoramento dos recursos pesqueiros da região e ajudar a formar uma nova geração de lideranças comunitárias comprometidas com a conservação dos recursos pesqueiros.

No último 20, o lançamento ocorreu em Aracampina na sala da Escola São Sebastião com a presença de lideranças, diretor, professores, alunos que falaram da importância desse projeto na área ambiental para aquela região, pois já havia algum tempo um projeto desse porte na área de várzea. Na aldeia Solimões o Cacique Lenoir deu as boas vindas a equipe no Barracão Comunitário falando da parceria com o Projeto Saúde e Alegria que já atua na região a 30 anos, trazendo projetos para desenvolvimento comunitário partindo da realidade local oportunizando as futuras gerações dentro de cada comunidade que atua.

 

 

Jovens debatem conflitos territoriais no Oeste do Pará

13 de junho de 2018 por Ana Costa

O Coletivo Jovem Rede Mocoronga (CJRM), é um grupo jovem multiplicador de informações que visa discutir as problemáticas associadas a temáticas sociais, como Clima e Território, uma iniciativa de vários coletivos jovens nacionais preocupados com o território ao qual estão inseridos. O CJRM conta com o apoio da ONG Projeto Saúde e Alegria (PSA), e realizou no ultimo dia 11, na sede do PSA, o I Debate Amazônias: Territórios e Conflitos Socioambientais do Oeste do Pará trazendo como subtema “Território: você conhece o seu?”.

O debate contou com a participação de jovens oriundos de comunidades tradicionais, em sua maioria acadêmicos, entre eles, Luana Kumaruara, 32, da Aldeia Solimões na Reserva Extrativista (RESEX) Tapajós-Arapiuns, que abordou a questão dos conflitos existentes para a garantia de seus direitos territoriais, ao que diz respeito à demarcação de terras indígenas. “Quando se fala de demarcação de terra é algo que sufoca a população indígena porque estão limitando o nosso território”, afirmou.

O jovem Benezildo Costa, 25, de São Pedro – RESEX Tapajós-Arapiuns, falou sobre as madeireiras, enfatizando a luta de muitos anos contra a extração ilegal dentro de sua região. Ele faz um apelo: “os jovens da Amazônia tem que ter uma causa para lutar (…), os projetos de empreendimentos afetam diretamente nossa gente, nossas culturas, nossos saberes e a biodiversidade”.

Outra convidada para o debate foi a jovem Delcilene Rocha, 21, vindo da comunidade de Santos da Boa Fé, no Planalto Santareno, contando sua experiência e luta contra a expansão da Soja e dos Agrotóxicos. Delcilene desabafa “infelizmente a gente acordou tarde demais na minha região, a quantidade de mata é mínima e é usada como máscara, só tem floresta na beira da estrada”.

A ideia do debate foi trazer à tona as violações dos direitos territoriais na Amazônia, ocasionados por grandes empreendimentos que ameaçam a biodiversidade dessa região. Para Walter Oliveira, 21, um dos jovens coordenadores do CJRM “a divulgação da informação através dos jovens locais, é um meio de abranger a população como um todo”.

Território: você conhece o seu?

Foto: Bob Barbosa

Funcionamento do Telecentro Comunitário de Nuquini.

4 de junho de 2018 por Rowdinely Oliveira

 O Telecentro Comunitário de Inclusão Digital da Comunidade, espaço que hoje a comunidade dispõe para acesso a inclusão digital, funciona semanalmente todas as segunda, quarta e sexta feira de 19:30 à 22:30 horas e no domingo de 13:30 à 16:30. Atualmente funciona com a energia de gerador a óleo diesil, e para mater toda a estrutura do predio e as outras despesas os usuarios contribuem com uma taxa semanalmente. No inicio do ano, a coordenação junto a comunidade realizaram um trabalho de pintura, restaurando assim o predio do Telecentro. Hoje atendemos usuarios de outras comunidades como Nova Vista, Tucumatuba e Boim.

O Vale do Tapajós

20 de julho de 2017 por Fábio Pena
Festival “Beiradão de Oportunidades” mobiliza jovens da Amazônia para o empreendedorismo, inovação e tecnologia
 

Entre 6 e 8 de julho, o Festival reuniu jovens e lideranças locais para ampliarem seus conhecimentos sobre empreendedorismo e negócios sociais. Após o evento, os participantes poderão se inscrever em um curso para desenvolver seus próprios projetos que ajudem a melhorar o pé de meia sem precisar sair de onde moram. E também a comunidade onde vivem.

Um dos principais desafios da juventude é a construção de seus projetos de vida. Em um cenário com poucas oportunidades de inclusão produtiva no mercado formal, mas ao mesmo tempo com muitas possibilidades para inovar, criar novas formas de geração de renda, a região do Tapajós, município de Santarém — PA, é desafiadora.

Para contribuir com esse desafio, o Projeto Saúde e Alegria é executor de um projeto de formação de empreendedores que incentiva, capacita e empodera jovens para que gerem e implementem — inclusive com acesso às tecnologias — novas soluções e oportunidades para a transformação de suas vidas e do seu entorno comunitário. O projeto é realizado em parceria com a Fundação Telefônica Vivo desde 2014, através do Programa Pense Grande, uma metodologia criada de forma colaborativa com organizações de outras regiões do pais, adaptada a cada contexto.

Leia o resto desse post »

Prorrogado prazo para propostas de comunicação do Saúde e Alegria

10 de maio de 2017 por Fábio Pena

capaInformamos que foi prorrogado o prazo para apresentação de propostas para serviços de comunicação do Projeto Saúde e Alegria, até o dia 31 de maio de 2017.

https://drive.google.com/file/d/0B1k-8V8SXFb2ZS03RHNvSGs5Y0k/view

O Fundo Brasileiro para a Biodiversidade – Funbio, aprovou no âmbito do Probio II o projeto “ECONOMIA DA FLORESTA – Uma iniciativa demonstrativa na RESEX Tapajós- Arapiuns”, que tem como objetivo Estabelecer na região do Baixo Amazonas um novo processo referencial de capacitação rural visando modificar, de forma gradual, a atual dependência das práticas de “corte e queima” em prol de empreendimentos e sistemas produtivos agroecológicos e florestais – integrados, sustentáveis e permanentes – que reduzam os impactos ambientais, o desmatamento, as emissões de GEE, fixando carbono, ao mesmo tempo que contribuem com a segurança alimentar e elevem a renda familiar.

Nesse contexto, o Centro de Estudos Avançados De Promoção Social e Ambiental – CEAPS / Projeto Saúde & Alegria – PSA, executor do projeto, seleciona Pessoas Jurídica para produção de conteúdos sobre:

A) Atividades relacionadas ao Projeto, assim como relatórios e documentos de comunicação institucional, em curso do Projeto Saúde & Alegria;
B) Campanha Promocional Saúde e Alegria 30 anos

I Happy Hour Amazônico – Um Encontro Ambiental Tapajônico

25 de maio de 2016 por Adriane Gama

POSTER_HHA

Um happy hour é um evento informal por meio do qual, após um árduo expediente de trabalho, colegas ou amigos se reúnem para comer, beber e descontrair. Assim como nos grandes centros urbanos, aqui em Santarém, no interior do Pará, essas ocasiões acontecem em vários espaços sociais. Embora o happy hour não seja a única maneira de estreitar relações, é uma ótima oportunidade de conhecer pessoas, explorar afinidades e descobrir interesses em comum.

É esta a motivação que levou um grupo de ativistas locais a criar o inédito Happy Hour Amazônico. A inspiração veio do Projeto de Jornalismo Ambiental Media*, idealizado pelo jornalista paulista Thiago Medaglia em parceria com a Rede InfoAmazônia. Trata-se de um movimento que tem, como uma de suas propostas fundamentais, unir profissionais de mídia e pesquisadores. O ponto de encontro virtual para essa comunidade inovadora é um grupo virtual no Facebook (chamado Ambiental Media), criado para conectar cientistas a jornalistas, fotógrafos, designers, programadores, cinegrafistas, ilustradores e outros. No grupo, os membros são os protagonistas e, por iniciativa própria, já organizaram um primeiro Happy Hour Ambiental em São Paulo. Outros eventos do tipo estão a caminho no Rio de Janeiro e em Florianópolis.

No caso do Encontro Tapajônico, queremos envolver protagonistas engajados em contribuir com a difusão do conhecimento ambiental livre e consciente na região amazônica. Uma feliz hora de reunir organizações sociais e ambientais, coletivos culturais e digitais, universidades e comunicadores, experimentando um espaço interativo e livre, bem ao lado do encontro dos Rios Tapajós e Amazonas, que dialoga tecnologia, ciência, jornalismo, mídia e cultura. Enfim, um convite para debater sobre os desafios atuais e futuros da Amazônia.

E esse evento vai muito além de um encontro casual e animado entre os protagonistas locais. Do Happy Santarém pode surgir alternativas criativas de rede de comunicação comunitária ou mesmo juntar-se ao próprio grupo da Ambiental Media no Facebook, interagindo com pessoas que estão fazendo a diferença em outros territórios do planeta e por aqui mesmo na Amazônia.

Para isso o evento trará a participação on line, de Thiago, Fundador da Ambiental para apresentar o seu case jornalístico e suas percepções sobre como podemos potencializar nossas ações socioambientais e digitais em redes colaborativas. “Acredito que as redes sociais são um poderoso motor para gerar impacto socioambiental por meio do jornalismo e da difusão do conhecimento”, afirma Thiago.

Este especial encontro ainda terá outros momentos marcantes com intervenções sociais de parceiros e participantes, apresentação de fotografias amazônicas, boa música ambiente e regional, e finalizando com apresentações musicais de talentosos artistas ativistas genuinamente paraense: Priscila Caetano, Nato Aguiar, Cristina Caetano e Livaldo Sarmento. Este evento coletivo tem o apoio colaborativo da Secretaria Municipal de Cultura, do Projeto Saude e Alegria e do Coletivo Puraqué.

O Coletivo EcoLógicas, coordenado pelas ativistas ambientais: Adriane Gama, Elis Lucien e Leila Verçosa, organizadoras locais desse encontro amazônico juntamente com colaboradores engajados, em estado de entusiasmo e compromisso, fica muito feliz em contribuir com essa ponte de conexões de midiativismo ambiental e aproveita para convidar as pessoas a participarem desse descontraído Happy, aberto ao público!

Estamos com uma página de evento no Facebook, onde lá já começa as interações entre os ativistas, e logo serão convidados a responder a nossa pergunta chave, a nossa hastag: Afinal de contas, qual é #atuanaamazonia

Programação do Happy Hour Amazônico

18h – Abertura

  • Intervenções sociais e exposições de fotografia da Amazônia e Djs.

  • Fala on line do jornalista Thiago Medaglia (Ambiental Media)

20:30h – Apresentações de cantores ativistas: Priscila Castro, Nato Aguiar, Cristina Caetano e Livaldo Sarmento.

Local: Praça do Mirante

Data: 30 de maio (segunda-feira)

Confirme sua presença no evento Happy Hour Amazônico: https://www.facebook.com/

Vamos! Aguardamos por todos vocês! Um abraço e até lá!

*”O Ambiental Media, idealizado pelo jornalista Thiago Medagllia, é um espaço onde jornalistas, programadores, fotógrafos e pesquisadores podem encontrar interesses em comum e discutir tendências em tecnologia, jornalismo e difusão do conhecimento. A ideia é explorar ao máximo os pontos convergentes: ferramentas de mídia para os pesquisadores e fontes consistentes de conteúdo para jornalistas e entusiastas.” https://www.facebook.com/

Mais sobre o projeto Ambiental Media aqui (em inglês): https://medium.com/journalism-innovation/we-created-a-facebook-group-and-that-is-generating-news-4bd9a39aa709#.wq3skxor7

Inaugurada a Rádio Camaleão

30 de abril de 2016 por Fábio Pena

13138818_1544488499190564_989716419201525094_nA Rede Mocoronga de Comunicação Popular ganhou mais uma emissora. Camaleão é o nome dela! Isso mesmo, os jovens da comunidade de Enseada do Amorim, se organizaram, elaboraram um projeto para a Chamada de Apoio às Iniciativas Juvenis do Saúde e Alegria, e conquistaram a sua tão sonhada Rádio Comunitária. No dia 27 de abril de 2016 foi a inauguração. Teve muita alegria, emoção e uma oficina para capacitar as crianças e adolescentes que vão atuar na rádio. A proposta é ter um instrumento de educação através da comunicação (educomunicação) na comunidade. Além de entretenimento, a rádio vai servir para divulgar notícias, e promover campanhas educativas. A ação faz parte do Projeto Rede de Educação Popular pelos Direitos das Crianças e Jovens da Amazônia, que tem o patrocínio da Petrobras. Parabéns aos jovens de Enseada do Amorim, na Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns por mais essa conquista.

Encontro Juvenil de Midiativismo da Rede Mocoronga

29 de fevereiro de 2016 por Adriane Gama

Um Encontro Local de Midiativismo realizado na sede do Projeto Saúde e Alegria – PSA, contou com a presença, na maioria, de jovens comunicadores da Rede Mocoronga, da Reserva Extrativista Tapajós Arapiuns: Carão, Pedra Branca, Suruacá, Aldeia de Muratuba, Vila do Amorim, Tucumatuba, Parauá, Vila de Boim – Rádio Integração, São Pedro e Prainha I, da FLONA. O evento promovido pela Educom/PSA, no dia 22 de fevereiro, mediado pela ativista social Márcia Gama, teve ainda a participação do coordenador do Greenpeace, Danicley de Aguiar, com intuito de dialogar acerca dos impactos do complexo hidrelétrico na Bacia do Tapajós.

Fábio Pena, coordenador pedagógico do PSA apresentou o objetivo da oficina e falou da importância dos jovens tornarem-se formadores de opinião em suas comunidades, buscando informações reais com base técnica, científica e jurídica, como no caso do projeto Complexo Hidrelétrico do Tapajós (São Lúís/PA) e seus esclarecimentos quanto ao EIA/RIMA (Estudo de Impacto Ambiental/ Relatório de Impacto Ambiental). A oficina teve como ferramentas de pesquisa, a revista do Greenpeace lançada sobre o tema, A Luta pelo Rio da Vida, além de outras mídias jornalísticas.

Pela tarde, as atividades foram conduzidas pelas educomunicadores do PSA, Elis Lucien, Leila Verçosa e Adriane Gama. A metodologia utilizada foi uma apreciação crítica de vídeos com diversos pareceres em torno do tema das Hidrelétricas no Tapajós. Após a verificação midiática, os jovens defenderam suas opiniões e lançaram vários questionamentos sobre o assunto. O debate mais enfático foi sobre o posicionamento dos jovens das Unidades de Conservações situadas no Rio Tapajós como atingidas pelo complexo, mesmo estando localizadas no baixo Tapajós, e não no médio e alto Tapajós, como as outras comunidades mais próximas ao Complexo Hidrelétrico de São Luís. A conscientização da causa e busca de assessorias idôneas foi uma das pautas do encontro.

Por fim, uma atividade foi desenvolvida pelos jovens em trabalho de grupos para realizarem propostas de produtos criativos de midiativismo com matérias para suas rádios comunitárias ou jornal formativo local. A ideia do encontro foi buscar a acessibilidade e democratização de informações sobre temas relevantes da região, a fim de pesquisar por mais informações para maior esclarecimento das causas e replicá-las em suas comunidades e em entorno.

Para o jovem Benezildo Costa, da comunidade de São Pedro, ressaltou que “o encontro foi além de um grande esclarecimento, uma formação para nós jovens na disseminação de conhecimentos sobre o empreendimento, assim como compreender a força dos atores sociais e suas lutas da causa.

Vem aí o III Mocoroscar

6 de outubro de 2015 por Lilian Campelo

Concurso Multimídia Projeto Saúde & Alegria

Bitmap em FOLDER MOCOROSCA_sem fundoTema: “A vez e a voz das crianças e jovens da Amazônia”

O Projeto Saúde & Alegria promove a campanha e o concurso educativo de materiais de comunicação produzido pelas comunidades com os temas sobre os Direitos das Crianças, Adolescentes e Jovens da Amazônia (ECA e Estatuto da Juventude).

REGULAMENTO DO CONCURSO CULTURAL

1- Modalidades/linguagens:

As comunidades poderão participar nas seguintes categorias: fotonovela, música (composição própria), esquete circense (até 5min), melhor reportagem impressa/jornal, programa de rádio (vinheta, entrevista ou reportagem), vídeo de até 02 minutos.

2- Inscrições:

As inscrições são gratuitas e estão abertas a partir do dia do lançamento deste edital e vão até 30 de novembro.

3- Critérios de avaliação:

Um comitê de jurados independentes será construído para avaliar os melhores trabalhos inscritos, a partir de quatro critérios básicos:

Mensagem educativa

Roteiro

Criatividade

Desempenho dos atores

Qualidade

Ser Comunicativo

5- Premiação:

Serão selecionados e premiados os melhores trabalhos por categoria e os prêmios serão definidos em breve. A premiação ocorrerá durante o III Mocoroscar em local a ser definido.

Para mais informações:

Basta ligar para sede do Projeto Saúde & Alegria (93) 3067.8000 ou 91475104

Ou ir até o escritório do PSA que fica na Av. Mendonça Furtado, 3979, Bairro da Liberdade, Santarém-PA.

Veja o link: Mocoroscar (You Tube)

Santarém e Belterra implantam rede piloto de monitoramento de qualidade da água

2 de outubro de 2015 por Adriane Gama
Desenvolvido pelo Rede InfoAmazonia. http://infoamazonia.org

Desenvolvido pelo Rede InfoAmazonia. http://infoamazonia.org

 

Entre os dias 16 e 31 de outubro, o Projeto Rede InfoAmazonia iniciará a implantação de uma rede piloto de monitoramento de qualidade da água para consumo humano na regiões paraenses de Santarém, Belterra, Floresta Nacional (FLONA) Tapajós e Reserva Extrativista (Resex) Tapajós-Arapiuns.

O sistema de monitoramento será implementado em articulação com o Projeto Saúde e Alegria, e as Secretarias de Meio Ambiente de Belterra e Santarém e as comunidades. Os resultados das análises serão apresentados em tempo real na plataforma InfoAmazonia. Além das informações publicadas no site, serão enviados alertas à autoridades, organizações e população através de mensagens SMS.

A definição dos vinte pontos onde serão instalados os dispositivos para o monitoramento será feita em um ciclo de oficinas com a população local, onde também serão formadas as equipes locais e haverá treinamentos e discussões sobre a relação entre meio ambiente, cidadania, comunicação e tecnologia. O ciclo de oficinas é destinado às pessoas que participaram do primeiro ciclo de oficinas do projeto em março de 2015.

Sobre o sistema de monitoramento

O sistema irá utilizar como ferramenta de monitoramento um hardware batizado como “Mãe d’Água”, que pode detectar possíveis alterações de características da água como acidez, temperatura, condutividade elétrica, potencial de redução da oxidação e pressão barométrica. A modificação destes atributos podem ser provenientes do despejo inadequado de resíduos domésticos, industriais e metais pesados, e com o “Mãe d’Água” é possível distinguir a água potável da água contaminada. O dispositivo usado pelo Rede InfoAmazonia pode ser instalado em águas superficiais de mananciais menores, em caixas d´água e cisternas.

O desenvolvimento dos sensores é realizado em parceria com a rede norte-americana de ciência cidadã Public Lab e a start-up Dev Tecnologia, empresa incubada na Universidade de São Paulo.

Atividade aberta ao público

Como parte do ciclo de atividades, acontecerá a oficina de Jornalismo Cidadão focado na área ambiental, realizada pelo jornalista Gustavo Faleiros. A atividade é aberta ao público, e acontecerá na UFOPA nos dias 23 de outubro (14 às 17h30) e 24 de outubro (8h30 às 12h). As inscrições serão realizadas com o Projeto Saúde e Alegria. A oficina e visa discutir a produção de conteúdo informativo a partir de questões das próprias comunidades, a construção da pauta, coberturas e levantamento de informação com dispositivos móveis, alimentação jornalística de redes sociais, produção e edição de conteúdo multimídia (vídeos, áudios, fotos, mapas e transmissões ao vivo) e publicação para web.

Mais informações sobre o projeto Rede InfoAmazonia:

http://infoamazonia.org/pt/projects/infoamazonia-network/

Prestação de serviços InfoAmazônia em Santarém:

16 de outubro – Oficina Mãe d´Água (Flona, Belterra e Santarém). Ufopa (Boulevard)

23 de outubro – Oficina de Jornalismo Cidadão (14 às 17h30) e 24 de outubro (8h30 às 12h). Local: Ufopa (Boulevard)

Gina Leite

Assessora executiva

Projeto Infoamazonia

gina@memelab.com.br

Skype: Geijineana

(71) 8836 5112 (Vivo / Whatsapp)