Jovens ribeirinhos e indígenas participam da I Conferência Municipal da Juventude

7 de dezembro de 2018 por Samela Bonfim

Protagonistas da transformação social os jovens de coletivos apoiados pelo PSA se uniram aos mais de duzentos participantes da primeira edição do evento realizada na última quinta-feira (06) no auditório do Instituto de Ensino Superior para construir um planejamento para melhorar políticas públicas.

“É muito legal saber que nós povos tradicionais temos voz. Nós mostramos isso na conferência. Estavamos lá ribeirinhos e indígenas buscando o mesmo objetivo: a implementação de políticas públicas para a reserva extrativista Tapajós arapiuns” – comentou o jovem Luiz Henrique Lopes Ferreira morador da comunidade Carão. 

Para um dos integrantes dos projetos desenvolvidos pelo Saúde e Alegria participar da primeira conferência foi uma experiência transformadora: “de alguma forma estamos marcando um ato histórico para Santarém. Pudemos trabalhar alguns eixos temáticos como saúde, educação, trabalho e renda onde pudemos dar a nossa visão jovem para isso tudo”.

Durante o evento foram discutidos cinco eixos: Educação; Saúde; Segurança Pública; Trabalho, Emprego e Renda;
Esporte, Cultura e Lazer. A discussão faz parte de uma iniciativa que lembra a lei de número 19.689 aprovada em 2015 que instituiu a criação do Conselho Municipal da Juventude. Parada desde a sanção é fundamental para lutar por políticas públicas da juventude. No evento uma comissão de reestruturação da lei Votação foi composta por sete representantes governamentais e sete não governamentais, dentre os quais, Walter Oliveira – educomunicador do projeto Saúde e Alegria. 

“É importante que a juventude esteja nesses espaços que são delas, ainda mais quando se fala da juventude das comunidades ribeirinhas da qual faço parte, porque vamos estar discutindo juntos com outros seis o que é melhor todos, uma vez que só se lembram de políticas públicas para a juventude da cidade e acabam esquecendo dos jovens que estão em busca de melhorias dentro de suas comunidades” – explica Oliveira. 

Para o coordenador de educação e comunicação do PSA Fábio Pena, a conferência é um importante passo de consolidação das atividades realizadas pela entidade não governamental que promove o protagonismo juvenil: “No Projeto Rede de Juventude Floresta Ativa desenvolvido com o apoio do projeto Caritas Suíça a gente desenvolve diversas atividades para a formação e o engajamento de jovens nas comunidades. Faz parte desse trabalho a formação de lideranças jovens para que eles possam saber se expressar e negociar suas demandas nos espaços públicos, políticas públicas. A participação deles nessa conferência é um dos resultados porque eles participaram a entender os seus direitos naquilo que não está sendo garantido na prática” – ressalta.

Deixe um comentário

*